Texto de Jennifer Delgado traduzido e adaptado de Etapa Infantil

A Vida é Bela é um daqueles filmes que deixam sua marca. Impossível vê-lo sem entrar na montanha-russa emocional vivida por seus próprios protagonistas. Dirigida e estrelada por Roberto Benigni em 1997, ele ganhou mais de 50 prêmios internacionais, incluindo três prêmios Oscar, o Grande Prêmio de Cannes, o César para o melhor filme estrangeiro e o Goya para o melhor filme europeu.

A fantasia que manteve a ilusão de uma criança viva

A primeira metade do filme mostra a mudança política que está ocorrendo na Itália, com a ascensão do fascismo. O resto do filme move o palco para um campo de concentração, onde o ator principal, Guido e seu filho, Giosuè, são deportados.

Embora as condições sejam terríveis, Guido consegue fazer o filho acreditar que a situação que está enfrentando é um jogo no qual eles devem ganhar pontos. Ele explica que todos os prisioneiros participam do jogo, mas apenas o primeiro a ganhar mil pontos receberá um tanque de verdade. As regras são claras: se você chorar, pedir comida ou quiser ver sua mãe, você perderá pontos, mas se esconder dos guardas do campo lhe dará pontos extras. Toda vez que uma criança desaparece do campo, Guido esconde a verdade crua que ele escondeu para ganhar pontos no jogo.

Ao longo do filme, o pai recorre a essa fantasia para explicar todos os maus-tratos, humilhações e horrores de que a criança é testemunha, na tentativa de preservar a inocência e a ilusão infantil naquele inferno. Apesar de estar cercado de tristeza e morte, Giosuè acaba acreditando na história de seu pai e, assim, sua permanência no campo é um pouco mais suportável.

O significado da vida quando tudo parece perder a consciência
A vida é Bela, é um filme difícil de ser rotulado. O humor de Guido e sua luta para manter a ilusão de seu filho chegam a dar um sorriso estranho aos espectadores, mesmo que seja um sorriso agridoce. É por isso que se torna uma ode à perseverança, à ilusão e à superação da adversidade. Isso nos mostra que mesmo nos piores momentos, quando parece que tudo está perdido, se temos algo pelo que lutar, podemos manter uma atitude mais positiva.

Na verdade, o filme inevitavelmente nos leva à teoria do sentido da vida de Viktor Frankl, um psiquiatra austríaco que também foi prisioneiro nos campos de concentração e foi capaz de analisar de perto o processo de transformação psicológica sofrido pelos deportados.

Segundo Frankl, no campo de concentração, os presos que mais provavelmente sobreviveriam eram aqueles que conseguiam encontrar sentido na vida e continuar a preservar sua dignidade humana. Ele escreveu: “O homem pode reter um vestígio de liberdade espiritual, de independência mental, mesmo nas mais terríveis circunstâncias de tensão psíquica e física” .

Frankl estava convencido de que muitos dos que conseguiram sobreviver nos campos de concentração nazistas tinham esperanças de voltar a ver um ente querido, a ilusão de que tinham uma missão a cumprir ou uma tarefa que só eles Eles poderiam se apresentar quando saíssem de lá. A chave para a sobrevivência era assumir que o sofrimento é um desafio a ser superado. Quem perdeu o sentido da vida condenou seu futuro.

A autotranscendência era um aspecto fundamental para desenvolver esse sentido de vida. “Ser homem implica avançar para algo ou para alguém que não seja alguém, seja percebendo um valor, alcançando um significado ou encontrando outro ser humano. Quanto mais alguém esquece de si mesmo – se rendendo a uma causa ou a um ente querido -, mais ele se torna humano e mais ele aperfeiçoa suas habilidades ”, escreveu Frankl.

Esse é precisamente um dos valores vistos no filme. O protagonista não desiste porque tem algo para lutar além de si mesmo, seu filho, e se agarra para avançar e crescer diante da adversidade.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!