A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou neste sábado (23) que a varíola dos macacos é uma “emergência de saúde global”.

Mais de 16 mil casos já foram relatados em 75 países, com cinco mortes, informou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

No Brasil, o Ministério da Saúde contabilizou, até o último dia 21, 592 casos confirmados da doença. O país está no ranking dos 10 países com maior número de casos.

Após o anúncio da OMS, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que vai se reunir com técnicos neste sábado para debater o assunto.

“Decidi declarar uma emergência de saúde pública de alcance internacional”, disse Tedros em entrevista coletiva, afirmando que o risco no mundo é relativamente moderado, exceto na Europa, onde ele é alto.

Tedros informou ainda que, com as ferramentas disponíveis, será possível controlar o surto e parar a transmissão.

Apesar da falta de consenso entre os membros do comitê de emergência da OMS, Tedros tomou a decisão de emitir a declaração – foi a primeira vez que o chefe da agência de saúde da ONU deu tal passo.

Há um mês, havia 3.040 casos relatados em 47 países. Desde então, o surto continuou a crescer, e agora há mais de 16 mil casos relatados de 75 países e territórios, além de cinco mortes, disse o diretor-geral em seu discurso.

A decisão deste sábado pode levar a um maior investimento no tratamento da doença e avançar na luta por vacinas, que estão em falta.

Segundo o diretor-geral da OMS, somente metade dos países com casos registrados de varíola dos macacos tem acesso garantido às vacinas.

Já o diretor de emergências da OMS, Mike Ryan, diz que ser vacinado não dá proteção instantânea contra a doença.

Fatores levados em conta
Tedros anunciou ainda que foi obrigado a considerar cinco fatores para tomar a decisão, levando em conta o Regulamento Sanitário Internacional:

– as informações fornecidas pelos países – neste caso, o vírus se espalhou mais rapidamente que o previsto em alguns deles;
– os três critérios para declarar uma emergência de saúde pública de interesse internacional, que foram atendidos;
– o parecer do Comitê de Emergência, que não chegou a um consenso;
princípios científicos, evidências e outras informações relevantes – que atualmente são insuficientes e deixam muitas incógnitas;
– o risco para a saúde humana, disseminação internacional e o potencial de interferência no tráfego internacional

Em suma, segundo Tedros, há um surto que se espalhou rapidamente pelo mundo, através de novos modos de transmissão, sobre os quais entende-se muito pouco e que atendem aos critérios do Regulamento Sanitário Internacional.

‘Estratégias certas nos grupos certos’
“Embora eu esteja declarando uma emergência de saúde pública de interesse internacional, no momento este é um surto que se concentra entre homens que fazem sexo com homens, especialmente aqueles com múltiplos parceiros sexuais. Isso significa que este é um surto que pode ser interrompido com as estratégias certas nos grupos certos”, disse Tedros.

O diretor-geral da OMS apontou a importância que todos os países trabalhem em estreita colaboração com as comunidades de homens que fazem sexo com homens para projetar e fornecer informações e serviços eficazes e adotar medidas que protejam a saúde, os direitos humanos e a dignidade das comunidades afetadas.

RECOMENDAMOS






Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!