Kathrine Peereboom (Austrália) comentou em redes que seus filhos – de 5 a 8 anos – já se acostumaram a não serem convidados para eventos sociais e também aos “olhares cruéis, comentários horríveis e risos”; Para ela, o pior é que os meninos ainda são muito novos para entender a negatividade que recebem no dia a dia.

Embora tenhamos progredido nas questões de respeito e consideração pelo outro nos últimos anos, ainda temos um longo caminho a percorrer quando se trata de aceitar as diferenças de cada um de nós, certamente a maior das lições que ainda temos que aprender. .

Em muitos casos, a reação de muitos aos diferentes é bastante distante, defensiva e de certa forma preocupante. Eles fazem você tomar uma determinada atitude e esse tipo de sinal de rejeição, por menor que seja, pode causar um grande abalo no indivíduo à sua frente.

Porém, quando a vítima dessa discriminação é uma criança, o caso assume um aspecto muito mais complexo e uma indignação maior, pois é a fase da vida em que estão se formando como pessoas e absorvem tudo o que está em suas mãos. em volta.

Dito isso, apresentamos Kathrine Peereboom (Austrália), mãe de Oliver, Joshua e Tyler , de 5 a 8 anos. Todos os três meninos estão no espectro do autismo e, com muita vergonha e raiva justificada, Kathrine comentou que eles se acostumaram a ser excluídos de muitos eventos sociais, como festas de aniversário, por exemplo; por outro lado, quando convidam seus amigos para suas próprias festas, ninguém consegue vê-los.


Jamais nos esqueçamos de que, se queremos um mundo mais justo e igualitário, essas justiça e maior equidade necessita partir de cada um de nós.

Sentir que um filho está sendo excluído por sua condição existencial é estarrecedor a qualquer pai ou mãe. Os danos trazidos a essas crianças são igualmente incalculáveis.

Compartilhe!!

Fonte: UPSOCL

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!