Publicado originalmente em Rincón de la Psicologia e traduzido por nós da Revista Pazes

“No amor se dá o paradoxo de dois seres se tornarem um e, no entanto, permanecerem dois” ele escreveu psicólogo Erich Fromm referindo-se a necessidade de de formarmos uma unidade mas, entretanto, mantendo a individualidade na relação de casal.

O poeta e filósofo Kahlil Gibran acrescentou: “Ame a si mesmo, mas não transforme o amor em uma prisão. É melhor que seja um mar que se move entre as bordas de suas almas”.

Infelizmente, muitas vezes experimentamos um amor possessivo que acaba se destruindo. O desejo de possuir e controlar o outro acaba queimando o oxigênio psicológico que todo relacionamento precisa para sobreviver.

Quando o amor não permite o crescimento, mas exige o sacrifício da identidade no altar do “nós”, não é amor, mas posse. E está condenado ao fracasso ou à insatisfação permanente daqueles que permanecem presos nessa rede.

Converter-se em guardião da solidão de quem amamos

Quando amamos, precisamos aprender a dar espaço ao outro. Esse ato é, talvez, o único que pode salvar um relacionamento, fazê-lo prosperar ao longo do tempo e, acima de tudo, garantir que esse elo seja terreno fértil para que ambos possam crescer. Precisamos reconciliar nossa necessidade de união com nossa necessidade de separação.

Como conseguir isso? No início do século XX, o poeta Rainer Maria Rilke já nos ofereceu uma solução para romper a aparente dicotomia entre posse e liberdade que geralmente ocorre nos relacionamentos:

“Esta é a tarefa mais importante para manter um vínculo entre duas pessoas: que cada um se torne o guardião da solidão do outro.

Uma vez que aceitamos que entre os seres humanos mais próximos há distâncias infinitas, pode crescer uma vida maravilhosa ao lado do outro, se eles conseguem amar a distância entre eles, o que torna possível para cada um ver o outro através de um céu aberto.

O amor será, por muito tempo e ao longo da vida, solidão, lembrança prolongada e profunda para quem ama. Amar, acima de tudo, não é nada que signifique fugir de si mesmo, dar-se e juntar-se a outro, porque o que seria a união de alguns seres ainda obscuros, incompletos, confusos? Amar é uma oportunidade sublime para o indivíduo amadurecer, tornar-se algo em si mesmo “.

Este poeta nos dá uma visão diferente do amor. Não implica amar alguém apenas pelas coisas que temos em comum, mas também por aquelas que não compartilhamos e que nos diferenciam. Significa amar não apesar das diferenças, mas também amar as diferenças. “Eu tenho que conhecer a outra pessoa e a mim objetivamente, para ver a sua realidade, ou melhor, deixar de lado as ilusões, a minha imagem irracionalmente distorcida dela”, Fromm escreveu. Obviamente, isso também significa que não devemos tentar modelar o outro à nossa imagem e semelhança, mas nos tornarmos os guardiões daquelas diferenças que nos tornam únicos.

Erich Fromm já havia dito: “em contraste com a união simbiótica, amor maduro significa condição vinculativa para preservar a integridade própria individualidade”. Respeitar a individualidade e a necessidade de isolamento são a base para construir uma relação sólida e madura a longo prazo, ambas as partes podendo crescer juntas, mas cada uma à sua maneira e se sentindo à vontade.

Estes princípios não são válidos apenas para casais, mas se aplicam a qualquer relação de proximidade ou qualquer vínculo que você queira manter por toda a vida, seja entre amigos, irmãos ou entre pais e filhos.

“Toda relação pode consistir apenas no fortalecimento de duas solidões vizinhas, enquanto que tudo o que geralmente é chamado de “doar-se a si mesmo” é prejudicial por natureza às relações: porque, quando se abre mão de si mesmo, já não se é nada e, quando duas pessoas doam-se a si mesmas para unirem-se, já não há terra firme sob elas e estarem juntos é significa uma queda contínua”

“Aqueles que pretendem fazer o bem se relacionando de forma imperativa e intolerante, e em luta para sair de seu estado insustentável e insuportável de confusão, cometem o maior erro que se pode cometer nas relações humanas: eles se tornam impacientes. Se apressam para uma conclusão; para chegar, como eles acreditam, a uma decisão final, eles tentam de uma vez por todas definir seu relacionamento (cujas mudanças surpreendentes os assustaram), para permanecerem iguais agora e para sempre”, disse Rilke.

Fonte:
Popova, M. (2018) A arte difícil de dar espaço no amor: Rilke na liberdade, união e o segredo para um bom casamento . Em: Brain Pickings .

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!