Texto traduzido de Rincon de la Psicologia pelo site Psicologias do Brasil

A educação que recebemos em nossa infância e o tipo de relacionamento que estabelecemos com nossos pais deixa marcas profundas. Sua atenção ou negligência, sua crítica ou elogio, determinam o estilo de apego que iremos desenvolver e tem um enorme impacto na imagem que formamos de nós mesmos, nossa autoestima e a atitude que assumimos antes da vida.

No entanto, tudo parece indicar que as consequências da crítica na infância não se limitam ao nível psicológico, mas também alteram a configuração do cérebro. Neurocientistas da Universidade Binghamton descobriram que, quando os pais criticam excessivamente seus filhos, eles afetam as áreas do cérebro dedicadas a processar estados emocionais.

Crítica constante de pais bloqueia o processamento emocional das crianças

As crianças podem criticar a maneira como o cérebro percebe e processa a informação emocional? Essa foi a pergunta que alguns neurocientistas levantaram e, para responder, recrutaram 87 crianças com idades entre 7 e 11 anos.

Antes, eles pediram aos pais para falar sobre seus filhos por cinco minutos. Eles foram capazes de avaliar o nível de crítica dos pais. Então analisaram a atividade cerebral das crianças enquanto eles viam uma série de imagens de rostos que mostravam diferentes emoções. Eles descobriram que os filhos de pais muito críticos prestavam menos atenção a todas as expressões faciais emocionais, sem distinguir entre emoções positivas e negativas.

Na prática, as crianças sujeitas a constantes críticas evitam prestar atenção aos rostos que expressam qualquer tipo de emoção. Obviamente, a longo prazo, tal comportamento poderia afetar suas relações com os outros e poderia até ser uma das razões pelas quais as crianças expostas a altos níveis de crítica correm maior risco de sofrer de depressão e ansiedade.

Para evitar o desconforto gerado pela crítica, o cérebro infantil é “desconectado”
Todos nós temos uma tendência a evitar coisas que nos fazem sentir desconfortáveis, ansiosos ou tristes porque esses sentimentos são aversivos. Podemos implementar diferentes estratégias para evitar tais situações, mas tem sido apreciado que as crianças cujos pais são muito críticos são mais propensas a usar estratégias de enfrentamento evitativo quando estão em perigo.

Na verdade, é um mecanismo básico de proteção: quando uma situação da qual não gostamos, mas não podemos escapar, nosso cérebro tende a “desconectar-se”. É exatamente o que acontece conosco quando estamos em uma reunião chata que não podemos nos livrar. No entanto, essa situação é perigosa quando é repetida por um longo tempo durante toda a infância, pois o cérebro infantil não será capaz de estabelecer as conexões necessárias para processar adequadamente as informações emocionais.

As crianças que são vítimas de críticas constantes evitariam focar e processar as expressões emocionais de raiva, nojo ou desconforto de seus pais para não sentirem os sentimentos aversivos que elas geram. Como resultado dessa mutilação do sistema de processamento emocional, também são incapazes de perceber as expressões positivas dos outros.

De fato, não é o primeiro estudo que analisa o impacto no nível cerebral de uma educação negativa. Pesquisas anteriores realizadas na Harvard Medical School revelaram que os gritos danificam o cérebro infantil, especificamente o vermis cerebelar, uma área fundamental para manter um bom equilíbrio emocional.

Como fazer uma crítica realmente construtiva para as crianças?

Existem dois tipos de críticas: críticas destrutivas, que não levam a lado nenhum e só geram desconforto, e críticas construtivas, que nos permitem crescer. Infelizmente, estima-se que 9 de 10 críticas “construtivas” realmente não são. Como os pais podem garantir que as críticas que fazem aos filhos realmente os ajudem a amadurecer?

– Você tem que se concentrar no comportamento, não na criança. Isso significa não usar rótulos generalizadores como “você está desorganizado”. Você tem que ser o mais preciso possível e dizer: “você não pegou seus brinquedos, isso não está certo”.

– Informe-se antes de criticar, pois muitas vezes criticamos assumir que nossas conjecturas são verdadeiras. Portanto, antes de dar vazão à raiva ou ao desapontamento, sempre pergunte o que aconteceu, ouça a versão da criança e tente entender sua perspectiva, embora isso não signifique que a compartilhemos. No entanto, uma crítica baseada na empatia é muito mais construtiva.

– Focando na solução, em vez de enfatizar o erro. Todos nós cometemos erros, mas se as críticas permanecerem nesse nível, isso não servirá para crescer. Portanto, é conveniente perguntar à criança o que ela pode fazer para resolver o problema ou propor diretamente algumas soluções.

– Introduzir um elemento positivo. Diz-se que para cada crítica cinco elogios são necessários. E a verdade é que nunca dói uma de lima e outra de areia. Portanto, não devemos nos limitar a destacar o negativo, devemos reforçar as características positivas da criança. Por exemplo, você pode dizer: “Foi ótimo que ontem você coletou seus brinquedos sem ser lembrado, eu gostaria que fosse assim todos os dias pois sei que você é uma criança responsável”.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!