De La Mente és Maravillosa, traduzido e adaptado por Revista Pazes

Se a atitude é a coisa mais importante que trazemos conosco, cuide bem para que ninguém despreze seus propósitos e desmereça como “impossíveis” seus pontos fortes e suas mais elevadas esperanças. Não os deixe desfazer seus desejos, te fazendo acreditar que “você não é digno, não pode ou não merece”. Nossa atitude representa uma porcentagem muito importante da influência que temos sobre o que acontece conosco, então não faça isso, não deixe que roubem seu melhor vestido.

Algo que, sem dúvida, chama a atenção em muitos dos livros de autoajuda que encontramos hoje, é que eles tentam nos orientar para o sucesso, para esse triunfo externo, onde mais cedo ou mais tarde somos reconhecidos pelos outros pelo nosso valor, por nossas aptidões e habilidades. Agora, devemos esclarecer: mais do que “sucesso externo”, o que queremos alcançar é a calma interna.

“Uma pessoa feliz não tem um certo conjunto de circunstâncias, mas um conjunto de atitudes.”

-Hugh Downs-

As aptidões “somam” em nossa vida, não há dúvida, demonstrando que podemos fazer certas tarefas específicas, o que é certamente muito gratificante. No entanto, o que “multiplica” são as atitudes, porque são elas que fazem a diferença entre um dia bom e um dia ruim, são elas que nos dão otimismo quando tudo está contra nós, elas nos permitem acreditar em nós mesmos quando os outros se atrevem a nos tornar pequenos personagens de Lilliput.

«Sim, valho a pena, sei fazer e mereço» são sem dúvida as três raízes que devem nutrir a nossa atitude quotidiana, com a qual devemos tomar o café da manhã todas as manhãs com as nossas torradas. No entanto, há momentos em que a mentalidade negativa, derrotista ou mesmo tóxica de algumas pessoas ao nosso redor pode certamente enfraquecer essa abordagem de ouro até que se torne tempestuosa …

Sua atitude: uma decisão pessoal
A oferta editorial de livros de autoajuda e crescimento pessoal dobra a cada ano. No entanto, a OMS já nos alerta que, em pouco tempo, a depressão será o primeiro problema de saúde e incapacidade em todo o mundo . Nós também educamos nossos filhos para serem competentes em ciência, em matemática, no uso da tecnologia e até mesmo na linguagem da programação, mas nos esquecemos de ensiná-los a tolerar a frustração, a administrar seus universos emocionais, suas fúrias, suas tristezas …

Ninguém nos explica qual é essa atitude, ou como essa outra coisa é feita de “acreditar em nós mesmos” . Nós não sabemos porque a única coisa que eles nos ensinaram na escola é identificar o assunto e o predicado de uma sentença, obter o mínimo múltiplo comum ou acreditar que é suficiente ser bom, respeitoso e tirar boas notas para que a felicidade apareça. por si só, como a promessa de um contrato que assinamos desde muito jovem.

No entanto, mais cedo ou mais tarde, descobrimos que nossas boas intenções não são suficientes para que o sucesso chegue. Percebemos que, se alguém não acredita em nós, saímos como uma vela dominada por um vento frio .

Percebemos também que a sociedade nos oferece uma boa educação, mas adia nossas oportunidades mergulhando-nos em uma sala de espera onde nada vem. E lá nos reunimos com outros que também esperam, outros que espalham suas esperanças desnutridas, seu derrotismo, sua auto – estima vazia de cortar e colar.

Mais cedo ou mais tarde, percebemos que estamos “doentes”, infectados pelo desânimo e pela passividade, obscurecidos por uma mente que foi levada pelo piloto automático da negatividade dos outros.

No final, percebemos que a atitude nada mais é do que uma decisão pessoal, que nos tira de alguns jardins áridos e desolados onde nada cresce, para lembrar que não merecemos estar lá, que é combinar valor, energia e coragem para encontrar o que precisamos de verdade.

Os três componentes da atitude forte e corajosa
Muitas vezes é dito que uma atitude positiva não resolverá todos os nossos problemas, mas o que vai fazer é incomodar mais de uma pessoa , aqueles que com sua mentalidade quadrada e suas abordagens cheias de limites, não fazem nada além de cercas de arame para nossos sonhos, tempestades para nossos dias ensolarados.

«As atitudes são contagiosas. Vale a pena ter o seu?

-Dennis e Wendy Mannering-

Seja como for, o que devemos ter certeza é que essa atitude é um valor pessoal para se trabalhar diariamente. Porque quando menos esperamos, pode falhar ou pior, pode ser enfraquecido pela influência prejudicial desses terceiros.

Assim, nunca é demais lembrar quais três componentes sustentam, moldam e alimentam atitudes fortes:

Compromisso: uma boa atitude requer um compromisso firme em nós mesmos e em nossos propósitos, naqueles objetivos, valores ou objetivos que são valiosos para nós.
Autocontrole: para alcançar um sonho, para alcançar esse propósito precioso , devemos assumir o controle sobre nossa própria realidade , sobre tudo o que acontece. Se estivermos errados, a obrigação de retificar é nossa. Não atribuiremos qualquer responsabilidade a outras pessoas, assumiremos sempre uma atitude ativa, positiva e corajosa.

O último elo que molda nossas atitudes é o desafio. É um aspecto que não podemos negligenciar, porque a vida sempre nos apresenta dez, duzentos e duzentos desafios cotidianos … Devemos ver esses testes como desafios para aprender, para investir em nosso crescimento pessoal , em nossa bagagem de vida, onde quer que nos sintamos. Protagonistas autênticos do seu próprio bem-estar.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!