Publicado originalmente em Rincón

“É muito mais difícil julgar a si mesmo do que julgar os outros. Se você consegue julgar bem a si mesmo, é um verdadeiro sábio”, é um dos ensinamentos de O Pequeno Príncipe, que nos deixou Saint Exupéry. A maioria das pessoas vê a palha no olho alheio, mas ignora a viga em seus próprios olhos. No entanto, há outras pessoas que são muito duras consigo mesmos, que se criticam sem compaixão, a ponto de afundarem sua auto estima.

O que é uma autocrítica destrutiva?

A autocrítica é importante, nos permite reconhecer nossos erros e crescer como pessoas, mas quando isso é constante e injustificado se torna um fardo para o nosso desenvolvimento. Quando você só gera julgamentos negativos sobre si mesmo, sua voz interior se torna seu pior inimigo. Então você cai em uma autocrítica destrutiva.

Crítica destrutiva é aquele que não leva a mudanças positivas, mas, pelo contrário, afeta a imagem que se tem de si mesmo e, ao invés de empurrá-lo para assumir novos desafios, te condena à sensação de fracasso e ao medo, porque mina a confiança em suas habilidades.

Como reconhecer os sinais de autocrítica destrutiva?

1. Você se pune por erros que têm consequências mínimas

Às vezes cometemos grandes erros, mas o mais comum é que cometemos pequenos erros cujas conseqüências, se houver, são mínimas. No entanto, se você for muito duro consigo mesmo, provavelmente se punirá psicologicamente por esses erros. Você poderia passar o dia inteiro recriminando-se, por exemplo, porque você perdeu o ônibus ou porque entre as frutas que você comprou, havia uma em mau estado.

O que fazer?

Faça uma pausa. Todos cometemos erros. Aprenda a ser mais compassivo consigo mesmo e perdoe esses pequenos contratempos. Tenha em mente que passar o dia inteiro se recriminando por pequenos erros cujas conseqüências são praticamente nulas envolve um enorme gasto de energia psicológica. E não vale a pena.

2. Você continua a se criticar depois de corrigir o erro

Pressa, esquecimento, um erro de cálculo ou simplesmente o fato de que não podemos controlar todos os fatores pode dar origem a mal-entendidos. Às vezes, podemos reparar esses erros e seguir em frente. No entanto, uma pessoa muito muito dura consigo mesma pode continuar repreendendo-se por esse erro, mesmo que tenha remediado. Se discou um número de telefone por engano ou se equivocou ao enviar um e-mail e, em seguida, pediu desculpas, ela vai continuar refletindo sobre o assunto em sua cabeça, crendo-se descuidada ou desrespeitosa.

O que fazer?

A culpa é uma das emoções mais prejudiciais que você pode experimentar porque condena você a andar em círculos, sem chegar a lugar nenhum. Se você já tiver resolvido o erro, vire a página e siga em frente. Em vez de se recriminar, pense no que você pode fazer para evitar cometer esse erro no futuro. Isso será muito mais produtivo do que ficar pensando em uma situação que já acabou.

3. Você se culpa por coisas que não dependem de você

Pessoas que exercitam uma autocrítica destrutiva constante sentem-se freqüentemente culpadas por eventos que não dependem delas. Por exemplo, se alguém os trata mal, em vez de defender seus direitos, eles encaminham a questão para que, no final, acabem culpando a si mesmos. Muitas vezes essas pessoas recusam o direito de se sentirem zangadas com os outros e derramarem essa raiva em si mesmas. Eles chegam ao ponto de permitir que outros pisem em seus direitos fundamentais.

O que fazer?

Você deve reconhecer que existem coisas que dependem de você e outras que estão além do seu controle. Isso significa que, se algo der errado, não é necessariamente culpa sua. Pergunte a si mesmo qual é o seu nível de responsabilidade real na situação. E não deixe que os outros anulem seus direitos. Você tem o direito de ser tratado com respeito.

4. Você só vê seus traços negativos

As pessoas que são autocríticas demais veem suas vidas em termos negativos. Eles se concentram em seus erros e imperfeições, ignorando suas qualidades, sucessos e tudo o que fazem bem. Eles se concentram em suas fraquezas, esquecendo seus pontos fortes. Como resultado desse negativismo, eles geralmente mantêm um diálogo interno autodestrutivo que destrói sua auto-estima e diminui seu futuro.

O que fazer?

Imagine que uma criancinha viva dentro de você. Como essa criança se sentirá se tudo o que ele recebe são censuras e ele nunca é recompensado pelo que faz bem? É importante que você comece a se relacionar consigo com uma postura mais compassiva e tolerante.

5. Você entende os erros dos outros, mas maximiza os seus

Todos nós fazemos bobagens, mas se você é muito crítico consigo mesmo, é provável que você minimize os erros de outras pessoas e maximize os seus. É provável que você seja simpático aos erros dos outros, mas seja inflexível com seus erros.

O que fazer?

Use o mesmo critério para todos. Um erro é um erro cometido por quem o comete. Seja justo com os outros como consigo mesmo. Trate-se com a mesma tolerância e compreensão com que você trata os outros. Quando essa autocrítica destrutiva for acionada, pergunte a si mesmo se você falaria com outras pessoas assim.

Da complacência à autoeducação

Deixar de ser tão crítico consigo mesmo não significa cair numa atitude indolente e indulgente, em que tudo é permitido. Essa atitude nos impede de crescer e desenvolver nossa melhor versão. A chave está em mudar da complacência para a autoeducação.

Não se trata de nos dar recompensas que nos fazem sentir melhor ou nos dar permissão para continuar cometendo erros. Não é a solução rápida da complacência, mas um caminho de crescimento pessoal em que nos tratamos de maneira adulta, respeitosa e responsável.

A auto-educação implica que nós cuidemos de nós mesmos, que somos capazes de ver nossos pontos fortes e fracos de uma perspectiva madura. É uma mentalidade construtiva porque não escondemos nossos erros, mas também não os enganamos, mas tentamos aprender a lição e virar a página.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!