A Editora Caminho assim apresenta o livro do qual os poemas abaixo foram selecionados:
“O primeiro livro que Mia Couto publicou – Raiz de Orvalho, 1986 – era (e) um livro de poesia. Depois disso publicou 21 livros em prosa em varios generos – romance, conto, cronica, ensaio – sem nunca sair da poesia, que e onde se sente bem .

Em 2007 voltou a poesia propriamente dita com Idades, Cidades, Divindades, e agora volta la de novo com este Tradutor de Chuvas. Livro que tem muito de autobiografico, permite aos leitores mais atentos de Mia Couto descobrir as pontes da sua extraordinaria obra literaria.”

Seguem 3 poemas selecionados:

DANOS E ENGANOS
Aquele que acredita ter visto o mundo,
não aprendeu a escutar-se no vento.
Aquele que se deitou na terra,
vestiu sonhos como se fossem vidas
e tudo o mais fossem regressos.
Mas aquele que tocou o fruto
provou a inicial doçura do tempo.
E quando tombou
de si mesmo se fez semente.

POEMA DIDÁTICO
Já tive um país pequeno,
tão pequeno
que andava descalço dentro de mim.
Um país tão magro
que no seu firmamento
não cabia senão uma estrela menina,
tão tímida e delicada
que só por dentro brilhava.
Eu tive um país
escrito sem maiúscula.
Não tinha fundos
para pagar a um herói.
Não tinha panos
para costurar bandeira.
Nem solenidade
para entoar um hino.

Mas tinha pão e esperança
para os viventes
e sonhos para os nascentes.
Eu tive um país pequeno,
tão pequeno
que não cabia no mundo.

TRADUTOR DE CHUVAS
Um lenço branco
apaga o céu.
A fala da asa
vai traduzindo chuvas:
não há adeus
no idioma das aves.
O mundo voa
e apenas o poeta
faz companhia ao chão.

Fonte: Notaterapia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!