Publicado originalmente no site Sou Mamãe

Os contos são uma ótima ferramenta educativa. O budismo tem histórias extremamente interessantes, fáceis de entender e com mensagens profundas para as crianças.

O budismo é um sistema filosófico de crenças que tem como objetivo desenvolver as virtudes do ser humano para viver uma vida plena. Tenta eliminar os pensamentos egoístas, o rancor e a inveja da mente para dar lugar à reflexão.

Como podemos aproximar as crianças desse mundo tão profundo? Os contos budistas para crianças representam uma grande solução para esse problema.

Hoje em dia, o mundo passa por momentos únicos. Todas as pessoas vivem com pressa, oprimidas pelo trabalho e dando mais do que podem para obter coisas que são apenas isso mesmo, objetos materiais.

As doenças psicossomáticas (principalmente por causa do estresse) são muito frequentes. Não se trata de casos isolados, mas de um estilo de vida infeliz.

O budismo propõe alcançar a paz interior. Para conseguir isso, devemos encontrar um equilíbrio. É lógico que não podemos ignorar as obrigações da nossa vida, mas devemos equilibrar com momentos de descanso, meditação e espiritualidade.

Como aproximar as crianças do budismo?
As crianças não são alheias à realidade, muito menos ao estresse. A vida das crianças está cada vez mais cheia de obrigações e exigências. E isso tem começado cada vez mais cedo na vida.

Além disso, reprimimos constantemente a necessidade que elas têm de brincar, chorar, gritar e correr. Elas também estão sendo cada vez mais influenciadas pelas tendências materiais que lhes são impostas.

O budismo deixa de lado o material e se dedica ao cuidado das pessoas e seus espíritos. Isso acontece porque entende que o que percebemos através dos sentidos não é suficiente para explicar a condição humana. Ou seja, existe uma espiritualidade que vai mais além.

“Guardar rancor é como segurar uma brasa com a intenção de jogar em outra pessoa. É você mesmo que se queima”
-Buda-

Como o budismo trabalha com a mente para o desenvolvimento do discernimento e da bondade a fim de alcançar a sabedoria, devemos recorrer a recursos específicos para transmitir essa filosofia aos pequenos. Podemos usar, por exemplo, os contos budistas para crianças.

Os contos budistas para crianças trazem histórias com reflexões interessantes que podem ser aproveitadas ao máximo se a leitura for acompanhada por um adulto. A seguir, apresentamos algumas opções para levar em consideração:

3 contos budistas para crianças que vocês podem ler juntos em casa

1.- Siddharta e o cisne
Essa é uma história muito emocionante. Siddharta era o filho de um rei. Quando ele era pequeno, um sábio disse que seria um grande rei, mas que um dia abandonaria o palácio para ajudar os outros. Preocupado com isso, o pai o seguia de perto e desde criança o levou para ter aulas com os melhores professores do reino.

Siddharta gostava muito dos animais, principalmente de cuidar deles. Um dia ele encontrou um cisne ferido por uma flecha. Enquanto cuidava do animal, seu primo Devadatta apareceu e lhe disse que a ave era dele. Depois de uma discussão, finalmente decidiram consultar o rei para encontrar uma solução.

Ambos contaram sua versão do ocorrido. Sob o olhar perplexo de todos no palácio, um homem idoso sugeriu que o animal preferiria ficar com quem o salvou, e não com quem quis matá-lo. Nesse momento, Devaratta se deu conta de que os animais também têm sentimentos: eles podem sofrer e amar.

Então, o cisne foi curado e, assim que pode voar de novo, voltou para sua família. Siddharta e o cisne é um dos contos budistas para crianças mais conhecidos e de maior alcance mundial.

2.- Viver o presente
Sem dúvidas, esse é um dos mais belos (e curtos) contos budistas para crianças. Tem muita aplicabilidade na vida diária e, principalmente, nos dias de hoje.

Essa é a história de uma conversa entre um homem e um ancião. O primeiro perguntou ao idoso qual era o segredo para se tornar sábio. O ancião lhe disse uma coisa muito simples. Ele contou que o essencial é viver o momento presente.

O ancião explicou ao homem que, quando come, ele simplesmente come; quando dorme, simplesmente descansa; quando conversa com outra pessoa, ele se dedica a fazer exclusivamente isso.

Mas eu também consigo fazer isso mesmo sem ser um sábio – o homem respondeu.
Acho que não – disse o sábio ancião. -Quando você dorme, está pensando nos problemas que teve ao longo do dia. Quando come, pensa no que vai fazer mais tarde. Enquanto você conversa comigo, pensa no que vai me perguntar ou responder antes que eu termine de falar.
O segredo – concluiu – reside em estar consciente do que fazemos no momento presente e, assim, aproveitar cada minuto do milagre da vida.

“Todos os atos incorretos vêm da mente. Se a mente mudar, como ficam esses atos?
-Buda-

3.- Afiar o machado
Esse é outro conto budista para crianças que nos propõe desacelerar frente ao ritmo frenético no qual vivemos e nos permitir um momento de introspecção.

Um dia, um forte jovem chegou a um campo de lenhadores para pedir trabalho. Ao ver sua aparência física, o responsável o contratou sem hesitar. No primeiro dia, ele trabalhou muito e sua produção foi excelente. Todos estavam felizes pelo rendimento do jovem.

Curiosamente, no segundo dia sua produção caiu pela metade, embora tenha trabalhado o mesmo tanto. No terceiro dia, foi ainda pior. O jovem cortou pouquíssimas árvores.

Quando lhe perguntaram sobre sua péssima produção, o jovem respondeu que não sabia o que tinha acontecido. Ele tinha trabalhado com a mesma intensidade todos os dias. Então, seu chefe lhe fez uma pergunta:

Quando foi a última vez que você afiou seu machado?
Realmente, eu não tive tempo de fazer isso. Estava muito ocupado cortando as árvores.
Todas essas histórias transmitem mensagens valiosas e duradouras se soubermos transmitir de maneira correta. Procure um ambiente tranquilo, proponha uma leitura consciente e aproveite com seus filhos a sabedoria budista, que sobrevive ao passar do tempo.

Fotografia de capa de pixabay.com

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!