Por M. de Oliveira

Vivemos um momento de desilusão, tristeza, guerras, consumismo, competição, enfim tudo muito desanimador no mundo…se você quer buscar abrigo na arte, prepare uma maratona com estes títulos selecionados cuidadosamente por alguém que passou pela noite escura da alma e conseguiu um refúgio acalentador nessas obras. O amor ainda existe, e somente ele pode tecer as conexões necessárias para que a humanidade efetivamente evolua.

Vida, Amor e Riso
Autor: Osho, Editora Gente

Escrito como se fosse um diálogo, traz ensinamentos do mestre indiano fundamentados na simplicidade e na sabedoria. A correria diária, os compromissos inadiáveis, as obrigações em casa e no trabalho, tudo isso não permite que paremos para pensar em nossas necessidades mais básicas, como um simples olhar carinhoso ou um abraço gostoso sem nenhum motivo. Acabamos nos ‘atropelando’ e esquecemos o que nossa essência realmente sente e representa.
O mestre Osho foi conhecido por seus pensamentos polêmicos e sua sabedoria milenar. Em Vida, Amor e Riso estão reunidas as mais importantes reflexões sobre a vida, o amor e o riso. São citações para repensar o rumo de sua vida pessoal e profissional e observar os sinais de seu corpo e mente.

O autor aborda o sentido do amor e o medo de perdê-lo, a incerteza da morte e até a falsa segurança que o dinheiro nos traz. Discute também, a importância da meditação para uma vida equilibrada e feliz.
É uma mensagem de paz, para estruturar seu dia-a-dia de maneira harmoniosa e viver todos os momentos em sua plenitude. Para Osho, a vida só tem significado se você puder embelezar essa existência, se você puder se tornar puro amor. A proposta desse livro é, justamente, despertar esse desejo no leitor e semear a solidariedade humana.

Sidarta
Autor: Hermann Hesse, Editora Civilização Brasileira

Um livro encantador que vai abrir a sua alma para os ensinamentos orientais. Sidarta é uma reflexão sobre a busca da sabedoria que encanta gerações. Fruto de uma viagem à índia em 1911, foi publicado onze anos depois, em 1922. Sidarta é um espírito rebelde, que seguiu os ensinamentos de Buda, mantendo-se fiel à sua própria alma. Mas que pode representar seus anseios de libertação desse mundo de desejos.

Realizo, Logo Sou
Autor: Mino de Oliveira, Editor Físico

Conduzindo o leitor por um mundo de descobertas verdadeiramente equilibradas, a obra é uma ferramenta de reflexão. O autor discorre sobre como é grandiosa a vivência de “SER”. O livro tem um texto forte sem ser agressivo. Puxa o leitor de uma vez e expõe de maneira visceral a visão do autor sobre os fatos do dia-a-dia, abrindo dessa forma, não só os caminhos e as mentes de quem lê, mas também o coração mesmo do mais cético. O autor busca sua inspiração naquelas sensações estranhas e angustiantes que muitos vivenciam, quando tentam olhar para si e descobrem um vazio entre o ter e o realizar, vazio esse denominado pelo autor como a Síndrome do Vazio Interior, que vão muito além das atividades óbvias do cotidiano.

Para o autor de “Realizo, Logo Sou”, as pessoas confundem a satisfação legítima que a vida deve proporcionar através da Realização com pequenos atos que nos levam a sorrir, coisas como estar bem colocado profissionalmente, ter uma conta bancária gorda, viver uma relação amorosa sem grandes traumas ou mesmo ficar rodeado de amigos (nem sempre fiéis).
É mesmo instigante ler essa obra, escrita por quem viveu cada uma das experiências descritas, mostrando a realidade nua e crua que muitos se recusam a ver. É bom saber que outros viveram as mesmas tormentas filosóficas e conseguiram descobrir de maneira simples, como encontrar o melhor da vida, mesmo que para ter os olhos abertos, seja preciso encarar a verdade que o autor expõe de forma bruta. É assim, mostrando como realizar, que o livro é uma obrigação para todos que esperam encontrar em uma obra, o caminho para romper com o destino e deixar de se arrastar por aí como um legítimo Homo bossalis. Um livro excelente para nos tirar da Normose, a patologia da normalidade. Mino de Oliveira nos mostra que a Realização é o único caminho para ‘SER”.

O Pequeno Príncipe
Autor: Antoine De Saint-Exupéry, Magic Kids

Esse livro literalmente cativa a todos. E muito cuidado, você muito provavelmente vai chorar em algum capítulo do livro. Esteja preparado (a) para receber as lágrimas. Um clássico moderno traduzido para mais de oitenta idiomas. Suas páginas abrigam valiosas lições sobre a solidão, a amizade, o tempo, a vida e a morte, compartilhadas conosco por meio do pequeno habitante do asteroide B 612. Apesar de escrito e narrado por um adulto, ‘O Pequeno Príncipe’ se dirige, desde suas primeiras linhas, às crianças. É, na verdade, uma ode à infância, uma delicada viagem a esse planeta que aos poucos abandonamos, vivendo em prol das nossas vaidades, vícios, obrigações, números e demais coisas ‘sérias e importantes’. Deixe-se conquistar pela fábula atemporal de Antoine de Saint-Exupéry e acompanhe o pequeno príncipe em sua jornada rumo ao nosso planeta. Lembre-se apenas de fechar um pouco os olhos e abrir bem o coração. Pois o essencial, como nos têm ensinado o pequeno príncipe e sua amiga raposa, por mais de setenta anos, é invisível aos olhos.

O Estranho Caso do Cachorro Morto

Autor: Mark Haddon, Editora Record

Um livro incrível para você se divertir sozinho ou em companhia dos filhos, pais ou avós. Certamente todos vão se emocionar com esse livro extremamente inteligente, O estranho caso do cachorro morto é o livro de estreia do inglês Mark Haddon no Brasil. A história do garoto autista que sabe tudo sobre matemática e quase nada sobre seres humanos, já conquistou dois importantes prêmios estrangeiros: o Whitbread, nas categorias melhor romance juvenil de 2003 e livro do ano, foi traduzido para 32 línguas e figurou entre os livros mais vendidos nos EUA e na Inglaterra. Haddon cria um romance tanto para jovens quanto para adultos ao contar uma história emocionante, que envolve um menino autista e o assassinato de um cachorro. Criado entre professores especializados e pais que definitivamente não sabem lidar com suas necessidades especiais, Christopher Boone tem 15 anos e sofre do mal de Asperger’s, uma forma de autismo.

Adora listas, padrões e verdades absolutas. Odeia amarelo e marrom e, acima de tudo, odeia ser tocado por alguém. Christopher nunca foi muito além de seu próprio mundo, não consegue mentir nem entende metáforas ou piadas. É também incapaz de interpretar a mais simples expressão facial de qualquer pessoa. O próprio personagem define seu cérebro como um computador com grande memória fotográfica e capaz de resolver complicadas equações matemáticas mas com nenhuma habilidade para lidar com emoções ou pessoas. Um dia, Christopher encontra o cachorro da vizinha morto no jardim, é acusado do assassinato e preso. Depois de uma noite na cadeia, decide descobrir quem matou Wellington, o cachorro, e escreve um livro, relatando suas investigações. O resultado é O estranho caso do cachorro morto, e Christopher acaba descobrindo muito mais do que procurava. O estranho caso do cachorro morto é um livro original, bem escrito e envolvente. Uma história de mistério e descobertas como nenhuma outra. Haddon convida o leitor a embarcar ao lado de Christopher em uma emocionante viagem que vai virar o mundo do jovem de cabeça pra baixo e cativar o leitor até o fim.

Meu Ismael – O Fenômeno Continua
Autor: Daniel Quinn, Editora Peirópolis

O narrador desta fábula extraordinária é um homem em busca da verdade. Ele lê o anúncio de jornal de um professor que procura por alunos com o desejo sincero de salvar o mundo. Vai ao seu encontro e se vê sozinho num escritório abandonado com um gorila chamado Ismael. Ismael é uma criatura de imensa sabedoria, com uma história para contar a todos nós. Uma história que nenhum ser humano jamais ouviu. Leitura necessária e urgente para todos aqueles, jovens e adultos, que têm o desejo sincero de salvar o mundo. Ismael é amplamente adotado em escolas e universidades americanas. Inspirou o filme Instinto, estrelado por Antony Hopkins e Cuba Gooding Jr.

Maria Luisa Rodenbeck
Autor: Luciana Medeiros, Editora Verbo Virtual

Uma história vivida pelo coração. Primogênita de modestos imigrantes vindos da Calábria, Maria Luisa Rodenbeck trilhou um caminho muito especial, em direção à sua vocação de empreendedora, combinando competência, afeto e determinação. Trouxe a rede Starbucks de cafeterias para o Brasil depois de um trabalho de nove anos – “o mais longo namoro de um potencial parceiro”, disse Howard Schultz, o mítico CEO da companhia americana. Menos de um ano depois da inauguração dos primeiros pontos da Starbucks no Brasil, Maria Luisa faleceu num acidente. Mas sua história, recontada por colegas, família, incontáveis amigos é uma sucessão de exemplos para jovens empreendedores… e para qualquer pessoa em busca de seu sonho.

 

 

 

Admirável Mundo Novo
Autor: Aldous Huxley, Globo Livros

Um livro brilhante que nos faz refletir sobre como é nossa sociedade e para onde ela está caminhando. Uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, na qual a mera menção das antiquadas palavras “pai” e “mãe” produzem repugnância. Um mundo de pessoas programadas em laboratório, e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. Um mundo no qual a literatura, a música e o cinema só têm a função de solidificar o espírito de conformismo. Um universo que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade, e que idolatra Henry Ford. Essa é a visão desenvolvida no clarividente romance distópico de Aldous Huxley, que ao lado de 1984, de George Orwell, constituem os exemplos mais marcantes, na esfera literária, da tematização de estados autoritários.

Se o livro de Orwell criticava acidamente os governos totalitários de esquerda e de direita, o terror do stalinismo e a barbárie do nazifascismo, em Huxley o objeto é a sociedade capitalista, industrial e tecnológica, em que a racionalidade se tornou a nova religião, em que a ciência é o novo ídolo, um mundo no qual a experiência do sujeito não parece mais fazer nenhum sentido, e no qual a obra de Shakespeare adquire tons revolucionários. Entretanto, o moderno clássico de Huxley não é um mero exercício de futurismo ou de ficção científica. Trata-se, o que é mais grave, de um olhar agudo acerca das potencialidades autoritárias do próprio mundo em que vivemos.

A Semente de Mostarda
Autor: Osho, Ícone Editora

Um livro para despertar a sua consciência. Certamente vai calar a sua mente e libertar seu coração. «Quando falo de Jesus, tento sempre remover a tinta com que o cristianismo tem tentando pintar a cara original do mestre.» Osho
Em 1974, Osho fez uma série de 21 palestras sobre o Evangelho de Tomé. Estas palestras constituem A Semente de Mostarda, o primeiro best-seller internacional de Osho, que o tornou conhecido em todo o Ocidente. Hoje em dia, é um verdadeiro clássico da espiritualidade, com milhões de exemplares vendidos em todo o mundo. Este livro inspirador revela a natureza universal dos ensinamentos originais de Jesus. Com compaixão e humor, Osho apresenta cada uma das parábolas e ensinamentos de Jesus como pequenas «sementes» para os peregrinos espirituais dos nossos dias, envolvendo todos os domínios da experiência humana: a Filosofia, a Ciência, a Religião, o nascimento, a morte, o amor, o medo, a raiva e a culpa. Extrapolando as palavras de Jesus para fora do contexto estritamente cristão, Osho combina a sua sabedoria com a de outras tradições religiosas. A Semente de Mostarda é uma fonte de inspiração para a transformação interior.

Trem Noturno Para Lisboa
Autor: Pascal Mercier, Editora Record

Fenômeno editorial na Alemanha — onde ultrapassou a marca de dois milhões e meio de exemplares vendidos e ficou anos nas listas dos principais veículos —, Trem noturno para Lisboa extrapolou as fronteiras da literatura. Terceiro romance de Pascal Mercier, na verdade o professor de filosofia Peter Bieri, ganhou ares de expressão idiomática, usada para designar mudanças de vida. Mercier cria um personagem emblemático, o português Amadeu do Prado. Herói literário com o único objetivo de retratar seu criador. Invenção tão perfeita, que, nos últimos anos, muitos estrangeiros se deslocam para terras lusitanas em busca do escritor fictício. Tudo começa numa manhã chuvosa, quando Raimundo Gregorius, um homem culto, professor de línguas clássicas, impede que uma mulher se jogue de uma ponte em Berna. O professor se encanta com os sons do balbucio incoerente da suicida. Ao questionar que língua é aquela, fica sabendo se tratar do português.

Hipnotizado pela musicalidade do idioma, acaba por comprar um livro do autor português Amadeu Inácio de Almeida Prado, intitulado Um ourives das palavras. Uma reflexão sobre as múltiplas experiências da vida: solidão, finitude e morte, amizade, amor e lealdade. Fascinado por Prado, Gregorius tenta compreender o misterioso escritor, um médico que morreu 30 anos antes. A obsessão o faz largar sua rotina bem organizada e pegar o trem noturno para Lisboa. Numa descoberta do outro que acaba por ser uma descoberta de si próprio. Ao longo das investigações que o levam pelas vielas da capital portuguesa, ele encontra pessoas que conheceram Prado. E constrói a imagem de um médico e poeta admirável, que lutou contra Salazar. Gozou de enorme popularidade até salvar a vida de um oficial da polícia secreta. Depois disso, as pessoas que o veneravam passaram a evitá-lo. Na tentativa de se redimir, trabalhou para a oposição clandestina. Gregorius se descobre antítese de Prado, um homem inquieto, capaz de desafiar os pontos de vista ortodoxos. Agora, através de sua influência póstuma, o prudente professor é impulsionado a mudar. Mas o que significa conhecer outra pessoa, compreender outra vida? O que significa para o conhecimento de nós mesmos? É possível fugir da rotina? Este romance é uma epopeia multifacetada de uma viagem através da Europa e do nosso pensar e sentir.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!