Uma metáfora sobre a consciência brasileira

Um rapaz de uma cidadezinha distante ouviu dizer que pinguim voava. Explicaram-lhe que as aves têm asas e, por isso, são capazes de voar. Sendo o pinguim uma ave, ele também voaria. Assim, o rapaz repetia a todos que o pinguim era um animal que voava. Para ele, o raciocínio fazia sentido. Afinal as premissas eram mais ou menos verdadeiras.

Convencido da verdade da ideia que lhe apresentaram sobre os pinguins, passou a repeti-la a todos em diversas ocasiões.

Certo dia, uma pessoa da cidade que estudava os animais escutou-o repetindo a afirmação de que os pinguins são capazes de voar. Imediatamente, o estudioso se prontificou a corrigi-lo, dizendo que pinguins não voam. O rapaz não apenas teimou com ele que aquelas aves voavam, mas também repetiu a lógica de que todas as aves têm asas e que portanto, o pinguim, tendo asas, também seria um animal voador. E dizia isso como quem dava uma lição ao especialista, embora se sustentasse apenas naquela inferência um tanto quanto distorcida.

O estudioso dos animais, com toda a paciência, começou a explicar-lhe que realmente todas as aves têm asas, mas que nem todas são capazes de voar, pois isso depende da quantidade de ossos e de outros elementos de anatomia. Explicou pacientemente cada detalhe, mostrou desenhos, fotos, e detalhou as funções de cada parte do corpo das aves, até chegar à explicação específica sobre a anatomia dos pinguins.

Depois de muito tempo de explicação, o rapaz disse: “suas explicações estão todas erradas”. Espantado, o estudioso quis saber por quê. Afinal, o rapaz poderia ter alguns argumentos e conhecimentos que ele não conhecia para refutar sua explicação. “Por que, meu rapaz, minha explicação está errada?”

O rapaz limitou-se a dizer: “Porque pinguim voa”. E saiu convicto de que sua afirmação estava correta. Não penas convicto, mas um tanto quanto orgulhoso por ter contestado a opinião de um especialista.

COMPARTILHAR
Maurício Abdalla
Licenciado em Filosofia, doutor em educação e professor do Departamento de Filosofia da UFES.



COMENTÁRIOS