“Sentir medo é sinal de inteligência” – Mario Sergio Cortella

Com tiradas, piadas e exemplos da própria vida pessoal – que com frequência levaram o público às gargalhadas -, o filósofo e escritor conduziu a fala a partir do que pode ser considerado um dos grandes desafios do atual momento na esfera comportamental: “cenários turbulentos geram mudanças velozes”.

Qual é, hoje, a maior turbulência do país?

É o ineditismo da situação que estamos vivendo. A gente já passou várias vezes por crises econômicas e políticas, mas nunca por ambas juntas com essa intensidade. O governo que deixou de existir não tinha e o que assumiu não tem uma nitidez muito forte com relação à rota. Isso mexe demais com a condição atual. Em segundo lugar é que esse ineditismo coincidiu com um cenário externo pouco favorável. Quando da crise de 2008 nos Estados Unidos, nós estávamos numa condição interna mais favorável, seja na venda de commodities para a China, seja na área de minérios, seja na área de grãos. Agora esse mercado não tem a mesma afeição, portanto nossa capacidade de suportar o balançar é mais limitada. A única maneira de fazer isso é como canta o Paulinho da Viola: “faça como o velho marinheiro, que em meio ao nevoeiro leva o barco devagar”. É necessário cautela com a estrutura das nossas instituições e uma capacidade maior de iniciativa do empresariado, isto é, não ficar com uma postura de aguardar, mas se juntar com força e ir adiante. Não esperar de governo medidas que o próprio empresariado pode tomar de maneira autônoma. E por outro lado proteger a nossa nascente democracia para que ela não faleça antes de completar pelo menos um século.

O senhor citou Heidegger (Martin Heidegger, filósofo alemão), que fala que a angústia é a falta de clareza. O brasileiro ainda está angustiado?

Nós estamos angustiados porque estamos desnorteados em relação a algumas coisas. Por exemplo, nós tivemos uma mudança de governo onde não fica tão nítido se ela foi legítima. Talvez ela possa estar enquadrada como legal. Mas não se percebe uma coincidência entre direito e justiça. Mesmo entre os favoráveis à substituição da presidente (Dilma Rousseff) não há tanta clareza. É diferente quando você sabe que um ato é absolutamente límpido e correto. Existe a dúvida. Não a dúvida em relação às patifarias que muitos dos setores público e privado produziram, mas, no caso específico do governo anterior, se isso tinha algum tipo de marca que a gente possa qualificar. Em algumas áreas o governo Dilma Rousseff era extremamente inoperante, mas não era absolutamente desconsertado como é o atual, em que a cada dia o presidente que assumiu precisa desmentir ou dizer de outro modo o que um ministro por ele escolhido disse no dia anterior. Esse tipo de situação paralisa muito o próprio governo. O Geddel de Lima (ministro da Secretaria de Governo) diz algo e o presidente diz que aquela é uma opinião pessoal dele. Mas em governo, quando o presidente não concorda, ele demite aquele que emitiu a opinião pessoal. Então essa angústia existe e cria um vácuo dentro da nossa condição de reflexão que não é bom. A única coisa que eu acho que é positivo nisso é que as instituições continuam funcionando. A gente continua indo para a escola, os jornais continuam saindo, a gente continua indo às compras ou produzindo. Ou seja, o país tem sim uma angústia, mas ela não é paralisante, ela apenas nos deixa numa posição de expectativa. Alguns dizem que a gente vive hoje um momento confuso. Eu digo que não, o que a gente vive é um momento de muitas variáveis. São tantas e tudo pode acontecer, ao ponto de um julgamento de contas pelo Tribunal Superior Eleitoral poder tirar o atual presidente. Nós não sabemos qual será o passo amanhã em relação às delações já feitas.

Qual a sua opinião sobre o impeachment?

Eu diria que é uma medida tomada dentro da institucionalidade e da democracia. Mas é a história quem julga. Acho que daqui a 30 anos isso será classificado sim como uma medida injusta em relação ao que aconteceu. E isso tanto faz se eu sou a favor ou não do governo que saiu. É uma questão apenas de observar que nem sempre aquilo que está na lei produz um efeito justo em relação àquilo que a presidente fez, que foram atos de driblar parte da responsabilidade da fiscal. Acho que o impeachment foi um exagero em relação ao que se poderia fazer. Não era para (Dilma) ficar impune, mas foi uma medida exagerada. Hoje, dentro da lei atual, não é golpe. Mas também a escravatura, há 150 anos, era absolutamente constitucional.

O senhor disse que estamos criando uma geração que não valoriza esforço e confunde desejo com direito. Por que acredita nisso e como resolver essa problema?

Eu acredito nisso porque uma parcela da nova geração chega no mundo do trabalho com uma expectativa de que é necessário que ela faça o que goste e realize aquilo que é desejo. Algumas famílias formaram essa geração sem que ela tivesse uma dedicação mais forte. Uma parte das pessoas abaixo dos 30 anos não tem tanto compromisso com o esforço. Existe uma ideia de uma vida mais hedonista, o que até não é inesperado. Só um idiota gostaria de fazer o que não gosta. Mas é que muitas vezes é preciso fazer o que não se gosta para conseguir o resultado necessário. Por isso há necessidade hoje das famílias, das escolas, das empresas e da mídia de formarem uma geração com a perspectiva de esforço. Isso só acontece se existir, com clareza, prazos e metas em relação àquilo que será feito. Isto é, um disciplinamento coletivo do que precisa acontecer para os resultados virem à tona. Insisto: quando eu disse na palestra que jovens de 20 anos nunca arrumaram a casa, é só olhar a sociedade norte-americana. Ela não é espelho para todas as coisas, mas lá o jovem pode ser filho do presidente da General Motors que ele vai lavar louça junto com todo mundo, limpar neve na porta da casa, cortar o gramado. E ganha um dólar para fazer isso. Estamos criando uma geração que está habituada a um receber que não necessariamente corresponde a um esforço feito. Isso pode ser danoso mais adiante para a formação de personalidades éticas.

Isso não pode se confundir com busca por qualidade de vida?

Qualidade de vida acontece quando não há privilégios. Há diferença entre as duas coisas. Quando alguns deixam de ter qualidade, é privilégio. Por exemplo, São Paulo, onde eu moro, é uma cidade em que se come muito bem. Quem come? Quem come o quê? Qualidade, quando é exclusiva, não é qualidade, é privilégio. Claro que a ideia de qualidade de vida é boa se for partilhada. Mas qualidade, para alguns, é excludente, portanto não pode ser considerada qualidade.

É perigoso sentir medo?

Perigoso é perdê-lo. Sentir medo é um sinal de inteligência. Perigoso é sentir pânico, que é incapacidade de ação. Medo é estado de alerta e uma coisa altamente positiva. A natureza colocou dois mecanismos de proteção na nossa vida, que são medo e dor. Se você perder qualquer um deles fica absolutamente vulnerável. É perigoso deixar de senti-lo. Agora, o medo que não é enfrentado, aí sim, você acresce a ele outro perigo, que é não ter ação. Por isso é preciso ter medo de perder a saúde, de não enfrentar as dificuldades que se tem, de não ser competente. Isso sem dúvida coloca uma condição em que o medo funciona como um sistema de alerta. O medo nos alarma e isso é bom, mas se ele não for enfrentado ele é covardia. E se ele é exagerado ele se torna pânico e acaba nos imobilizando.

O brasileiro ficou mais intolerante a partir das últimas eleições ou essa sempre foi uma característica nossa que foi despertada?

Nós nunca tivemos a experiência da democracia mais aberta. É a primeira vez que a gente pode colocar nossas opiniões num plano mais amplo. E elas importam. E é a primeira vez que a gente conta com plataformas digitais que permitem a ampliação dessa questão. Por isso há a possibilidade hoje, inclusive, da intolerância a partir do anonimato, de alguém que pode se esconder por meio de uma plataforma e ser absolutamente imbecil sem sofrer alguma consequência direta. Há uma diferença de eu dizer na sua cara que você é idiota. Outra coisa é dizer isso com um pseudônimo ou num meio em que você não me alcança. Então há uma certa covardia que ficou muito facilitada nos tempos atuais. De uma maneira geral uma pessoa intolerante é aquela que é muito covarde e tem medo que o outro seja mais forte que ela. A única maneira é desprezar a outra para que ela possa crescer. E não é que o Brasil já tinha isso, é que nós não tínhamos tantas condições que permitissem que isso viesse à tona. Por outro lado, a eleição em 2014 foi muito significativa nessa direção. A eleição foi decidida quase nos últimos 15 minutos de apuração. Isso gera um clima de torcida em que, num primeiro momento, aquele que tinha certeza que ia vencer perde e fica com raiva. E aquele que achava que ia perder se sente tão superior porque venceu que perde a percepção de piedade. Portanto, desde aquele momento nós tivemos sim uma divergência que em vez de ser só um conflito se tornou um confronto, e aí se tornou perigoso.

Mas essa situação não ajudou a aflorar esse sentimento de intolerância que poderia estar adormecido?

Se você não tem a condição ele (esse sentimento) vai ficar adormecido sempre. Todo anjo guarda um demônio dentro de si. Todo cão com rabo abanando guarda dentro de si um lobo. Sim, toda condição pode estar adormecida. Eu, Cortella, sou capaz de coisas magníficas e outras horrorosas. É uma questão apenas de escolha da minha parte. Algumas pessoas não tinham escolhido serem horrorosas porque não tinham até então a ocasião.

Qual a sua opinião a respeito da polêmica proposta de reforma do ensino médio?

Ela é absolutamente inconveniente. Ela é uma coisa muito séria e não pode ser feita por gente que não entende de educação escolar. Essa medida provisória (proposta pelo governo) é imbecil. Coloca uma condição em que não se traz o debate à tona de uma forma mais intensa. É um desrespeito com aquilo que o país vem fazendo. Faz mais de 10 anos que o Conselho Nacional de Educação vem debatendo o tema. Desde 2013 há projetos no Congresso para tratar disso. E essa MP perturbou um processo. Eu acho que ela foi tão mal feita que, apesar de ter uma ou outra pessoa inteligente por trás dela, é inconveniente. Acho que é mais uma vingança. Como a coisa mais bonita do Brasil em 2016 foi uma cerimônia de abertura de Olimpíada feita por gente das áreas de educação física e educação artística, e como o presidente foi vaiado lá, a vingança foi fazer uma medida provisória que anunciasse, num primeiro momento, a retirada dessas duas disciplinas. É algo desastroso. Acho que o governo atual não deveria tê-lo feito porque perturbou um processo de debate e acabou trazendo à tona algo que era absolutamente o inverso do desejado. É uma MP incompetente.

E qual seria o modelo ideal?

É a discussão que estava sendo feita. Isto é, uma estruturação do ensino médio em que não houvesse o constrangimento dentro de uma grade curricular. Que o jovem tivesse sim uma possibilidade maior de flexibilidade curricular, mas que houvesse a possibilidade de organização de um currículo em que ele tivesse um componente de natureza técnico-científica e um outro de formação de humanidades. Que pudesse haver dentro disso o que já vinha se debatendo, que era a possibilidade de um financiamento para que houvesse conexão também com o ensino superior. Mas de maneira alguma deveria ser algo para transtornar o que vinha sendo colocado. Há várias maneiras de fazer isso, não há um único caminho. As nações fazem de modo diferente, mas nenhum país sério do mundo deixa de ter educação física e educação artística no currículo. Nas universidades de Harvard e Stanford, que são as duas melhores do mundo, quando as pessoas vão fazer a inscrição, uma das coisas que se pergunta é o que ela pratica de esporte e qual a atividade de arte que ela desenvolve. O Brasil, que é o único país do mundo que tem jabuticaba, está querendo também ser o único a fazer uma coisa que é tola.

TEXTO DEPedro Machado
FONTEJornal de Santa Catarina
COMPARTILHAR
Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!



COMENTÁRIOS