Por Jennifer Delgado Suárez, psicóloga

Há pessoas que choram facilmente com filmes, outras tem vergonha de mostrar as emoções, especialmente os homens, porque eles pensam que as lágrimas os enfraquecem, uma bobagem machista sem nenhum fundamento. No entanto, a verdade é que chorar vendo um filme não é um sinal de fraqueza, muito pelo contrário, indica que a pessoa é psicologicamente mais forte.

Chorar não é motivo de vergonha. É sinal de humanidade que indica uma emoção, pode ser tristeza, felicidade, raiva, nostalgia, acima de tudo, sintoma de empatia. E pessoas assim tendem a ser socialmente mais bem-sucedidas.

Choramos com filmes porque somos empáticos

Quando os personagens de um filme são bem representados, somos levados a nos colocar em sua pele, ver a realidade através de seus olhos. Todos, em variados níveis, buscamos a identificação no cinema. Estudos feitos utilizando neuroimagem funcional revelaram que o nosso cérebro quase se conecta com o personagem com quem nos identificamos, na medida em que ativamos as mesmas áreas do cérebro, relacionados ao que o personagem está fazendo, as mesmas áreas que ele está utilizando para executar as tarefas, como caminhar, saltar ou bater palmas, por exemplo.

Esse recurso também permite compreender sua situação e seu ponto de vista, bem como experimentar os mesmos estados emocionais. Obviamente, a empatia está intimamente ligada à maneira como nosso cérebro está estruturado, especialmente com os neurônios-espelho, que são os principais responsáveis ​​no ato de nos colocar no lugar dos outros.

Por outro lado, quando vemos filmes com um alto conteúdo emocional, nosso cérebro também libera ocitocina, um neurotransmissor poderoso que nos ajuda a conectar com os outros e nos permite ser mais compreensivos, amáveis, confiáveis e desinteressados. Um estudo realizado na Claremont Graduate School deixou isso bem claro.

Neste experimento, os psicólogos pediram aos participantes que assistissem um vídeo do Hospital Infantil St. Jude. Metade das pessoas viu um segmento do vídeo que mostrava um pai falando sobre o câncer terminal de seu filho. A outra metade viu um segmento em que a criança e o pai visitavam o zoológico e nenhuma menção da doença foi feita.

Como esperado, o segmento em que apareceu o pai falando sobre o câncer do filho gerou uma resposta emocional mais intensa: os participantes mostraram um aumento de 47% dos seus níveis de oxitocina no sangue.

Em seguida, cada participante teve que tomar uma série de decisões relacionadas com dinheiro e outras pessoas. Os resultados mostraram que aqueles que assistiram o vídeo de conteúdo mais emocional foram mais generosos com estranhos e mais propensos a doar dinheiro para caridade. Aqueles que doaram dinheiro também relataram estarem se sentindo mais felizes.

Isto mostra que a empatia, e as atitudes despertadas por ela, como chorar quando nos identificamos com algum personagem de um filme, na verdade, não é uma fraqueza, pelo contrário, é uma habilidade que nos permite conectar com outras pessoas e que, em última análise, nos torna pessoas mais fortes e mais felizes.

A empatia é um dos caminhos que nos conduzem à resiliência. Quando somos capazes de compreender os outros, o nosso universo emocional se expande. De certa forma, viver essas experiências através de outrem nos ajuda a ficar mais forte emocionalmente e nos prepara para quando temos que passar por momentos semelhantes.

A incapacidade de tomar o lugar de outrem é uma desvantagem social, enquanto a sensibilidade emocional, a capacidade de compreender os outros e experimentar as suas emoções, o que nos permite expandir o nosso horizonte emocional, revela que somos pessoas mais fortes.

Chorar também melhora o estado de espírito

Se você precisar de mais razões para não reprimir o choro durante um filme, aqui vai outro estudo, desta vez desenvolvido por psicólogos da Universidade de Tilburg, onde observou-se que filmes tristes podem realmente melhorar o nosso humor, mas somente se você for levado às lágrimas.

Texto originalmente publicado na Rincón de la Psicología, traduzido e livremente adaptado pela Revista Bem Mais Mulher.

Créditos da foto de capa Por aastock/ via Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS