Pope Francis arrives to celebrate an Epiphany Mass in St. Peter's Basilica at the Vatican, Saturday, Jan. 6, 2018. (AP Photo/Andrew Medichini)

Publicado originalmente em Aleteia

Papa Francisco destacou hoje, no Vaticano, que o Natal é uma oportunidade de “penitência e renovação para a Igreja Católica” em meio a mais escândalos de abusos sexuais perpetrados por criminosos de batina e acobertados por alguns bispos e cardeais.

Ao oferecer seus votos de Natal à Cúria Romana, ele afirmou que “a barca da Igreja vive momentos difíceis, acometida por tempestades e furacões”, por causa do “contratestemunho” e da “infidelidade” de “alguns filhos e ministros da Igreja”.

Essa postura dos abusadores contradiz o empenho da Igreja em erradicar esses crimes hediondos do seu seio. Declarou o Papa:

“Há vários anos que a Igreja está seriamente empenhada em erradicar o mal dos abusos, que clama por justiça ao Senhor, a Deus que nunca esquece o sofrimento vivido por muitos menores por causa de clérigos e pessoas consagradas: abusos de poder, abusos de consciência e abusos sexuais”.

Francisco considera necessário e urgente extirpar da Igreja aqueles que, sob a máscara da consagração a Deus:

“abusam dos fracos, valendo-se do seu poder moral e de persuasão”;
“cometem abominações e continuam a exercer o seu ministério como se nada tivesse acontecido”;
“não temem a Deus nem o Seu juízo, mas apenas ser descobertos e desmascarados”.

Sobre esses criminosos, o Papa declarou ainda, com força:

“São ministros que dilaceram o corpo da Igreja, causando escândalos e desacreditando a missão salvífica da Igreja e os sacrifícios de muitos dos seus irmãos (…); lobos vorazes, que deformam o rosto da Igreja, minando a sua credibilidade (…); entram, sem pestanejar, na rede de corrupção, atraiçoam Deus, os Seus mandamentos, a própria vocação, a Igreja, o povo de Deus e a confiança dos pequeninos e dos seus familiares”.

“Fique claro que a Igreja, perante estas abominações, não poupará esforços, fazendo tudo o que for necessário para entregar à justiça toda pessoa que tenha cometido tais delitos. A Igreja não procurará jamais dissimular ou subestimar qualquer um destes casos. Isto nunca mais deve acontecer”.

Encontro de fevereiro
O Papa recordou o encontro agendado para fevereiro de 2019 com os responsáveis de todas as conferências episcopais do mundo para abordar soluções contra os abusos.

“A Igreja, valendo-se também da ajuda dos peritos, se questionará sobre como proteger as crianças; como evitar tais calamidades, como tratar e reintegrar as vítimas; como reforçar a formação nos seminários. Procuraremos transformar os erros cometidos em oportunidades para erradicar este flagelo não só do corpo da Igreja, mas também do seio da sociedade”.

Para isso, completou o Papa, a Igreja deve assumir os seus erros e corrigi-los:

“Uma Igreja empedernida será sempre uma Igreja sem esperança”.

Francisco tem aplicado com firmeza a sua política de tolerância zero contra os criminosos de batina, enfrentando resistências em alguns segmentos corruptos da Igreja.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!