Conforme noticiado pela Criatives, o juiz Michael Cicconetti, da Painesville, Ohio, percebeu que a pena de prisão nada adiantava para coibir que os animais fossem maltratados. Segundo ele constatou, os mesmos infratores abarrotavam o tribunal e a reincidência era alarmante.

Foi aí que ele decidiu aplicar penas alternativas diretamente ligadas ao crime cometido, de sorte a fazer com que o infrator refletisse e, talvez assim, tivesse comiseração e empatia pelos animais.

Assim, cada processo é julgado e sentenciado com a aplicação de uma pena individualizada, tendo por objetivo gerar proporcionar vergonha e desconforto aos agressores, para que possam sentir na pele aquilo que fazem para os animais.


Vejam, abaixo, alguns dos casos e as suas respectivas punições:

“Uma mulher que abandonou 35 gatinhos em uma área arborizada teve como punição passar uma noite inteira na floresta, sem comida, água ou qualquer tipo de entretenimento, para que assim pudesse vivenciar os perigos desconhecidos que se escondem durante a noite.”

“Uma mulher que abandonou seu cão para deixá-lo viver em situação precária, foi condenada a passar um dia no lixão local, obrigada a ficar sentada com um odor horrível por 8 horas.”

Vocês gostaram do modo de punição deste juiz? Deixe-nos os seus comentários!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS