O que você acha atraente em outras pessoas? Um corpo delineado? Um intelecto afiado? Ou é “apenas algo sobre eles”?

No mundo inteiro surgiram indústrias que afirmam saber o segredo para que você se torne uma pessoa bela e atraente.

E ainda que seus métodos possam ser produtos simples como um perfume ou creme de barbear, ou sofisticados como as cirurgias plásticas, não resta nenhuma dúvida que você foi vítima dessa mentalidade explorada por elas. É compreensível, pois todos nós queremos ser pessoas atraentes fisicamente, intelectualmente e até mesmo espiritualmente. Isso faz parte da natureza humana.

O que nos atrai nos outros pode ser difícil de articular. Mesmo que as palavras venham, muitas vezes não pintam todo o quadro. Atração é um tema tão amplo e complexo que parece impossível de explicar. É ainda mais complicado pela preferência cultural e pessoal.

O que é atraente para mim pode ser repelente para você, e vice-versa.

Isto é o que torna o tema um tanto interessante no mundo da ciência.

Um estudo recente procurou compreender este grande mistério. Se você concorda com as suas descobertas ou não, é uma leitura interessante cheio de surpresas e instigantes pontos.

Cientistas e professores da Universidade de Lubeck, na Alemanha, recrutaram cerca de 100 pessoas — metade homens e metade mulheres — para se engajar em duas experiências. Um era um estudo comportamental. O outro comportamento observado, bem como a atividade cerebral através do uso de tecnologia de ressonância magnética. Ambos os grupos assistiram a vídeos de seis mulheres que expressaram medo ou tristeza. Então, eles foram convidados a avaliar as emoções das mulheres e descrever o seu nível de confiança em suas respostas.

Na primeira experiência, os pesquisadores pediram aos sujeitos que relatassem seu nível de atração para cada mulher. Eles também usaram uma estrutura motivacional-comportamental para determinar a atração. No segundo, eles usaram imagens de ressonância magnética para medir a atividade no “sistema de recompensa” do cérebro que está presente durante a atração interpessoal. Os investigadores puderam então comparar o nível “auto-relacionados” dos indivíduos da atração com a atividade observada do cérebro.

Surpreendentemente eles constataram que a mais forte predisposição de atração pode não ser a aparência física, mas a compreensão emocional.

Quando um participante se sentiu confiante de que tinha lido com sucesso o estado emocional de uma mulher, eles perceberam que ela era mais atraente.

Esta correlação foi confirmada pela imagem neurológica. Como Silke Anders, autor do estudo e professor de neurociência social e afetiva, explicou: “o que eu acredito que faz as nossas descobertas realmente emocionante é o fato de que a compreensão e a atração pessoal parecem depender tanto do cérebro do remetente quanto do cérebro do percebedor, e sobre o quão bem eles correspondem.”

Além de uma conexão emocional, Anders ressalta, pode haver circuitos cerebrais semelhantes entre dois indivíduos que se encontram atraídos um pelo outro. “se os sinais emocionais enviados por um remetente, por exemplo, um expresso facial de medo ou tristeza, pode ser processado de forma eficiente pelo cérebro do percebedor, então o seu sistema de recompensa vai disparar e eles vão se sentir atraídos para o remetente.”

Pesquisadores também descobriram que a atividade cerebral dentro do córtex insula anterior (a região do cérebro associada com a consciência emocional) e o estrial ventral (o “sistema de recompensa”) são muito semelhantes. Atividade na região de sensibilização emocional parece imitar atividade no sistema de recompensa, e vice-versa. Quando somos atraídos por alguém, estamos mais ansiosos para entender suas emoções, e nos sentimos mais gratificados quando fazemos isso com sucesso.

A atração instantânea tem sido pensado por muito tempo para resultar principalmente da compatibilidade física e genética.

De acordo com esta pesquisa, no entanto, uma compreensão emocional entre os parceiros pode ser ainda mais importante. Judith Orloff escreveu: “Eu não me importo o quão inteligente ou atraente alguém é, se ele destrói sua energia, ele não é para você. Uma verdadeira química é mais do que um compatibilidade intelectual. Além das superfícies, você deve se sentir intuitivamente à vontade. Talvez o tenha ligado a alguma coisa..”

Texto traduzido e livremente adaptado pela Revista pazes.

FONTEUni soul theory
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes

Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!



COMENTÁRIOS