Conforme noticiado na BBC Brasil, uma enquete realizada na Inglaterra ouviu mais de 1.479 pessoas com idades entre 14 e 24 anos. Elas avaliaram aplicativos populares em quesitos como ansiedade, depressão, solidão, bullying e imagem corporal. E, para os pesquisadores, “as redes sociais podem estar alimentando uma crise de saúde mental” entre jovens.

Cerca de 90% dos jovens usam redes sociais – mais do que qualquer outra faixa etária -, o que os torna especialmente vulneráveis a seus efeitos, nocivos ou não.

Para a pesquisadora Shirley Cramer, “É interessante ver Instagram e Snapchat nas piores posições para saúde mental e bem-estar – ambas as plataformas são bastante focadas em imagem e parecem causar sentimentos de inadequação e ansiedade nos jovens”

Com base nessas descobertas, especialistas em saúde pública estão pedindo para que as plataformas de redes sociais introduzam uma série de checagens e medidas para melhorar a saúde mental, incluindo:

1 – Avisos de que as pessoas estão fazendo uso excessivo das redes sociais (apoiada por 70% dos jovens que participaram da pesquisa);

2 – A identificação, por parte das plataformas, de usuários com problemas de saúde mental (pelo conteúdo de postagens) seguida de “indicações discretas sobre como eles podem conseguir apoio”;

3 – Sinalização de quando as fotos foram digitalmente manipuladas – por exemplo, marcas de roupa, celebridades e outras organizações publicitárias poderiam utilizar um pequeno ícone nas fotos alteradas digitalmente.

Créditos da imagem de capa Natee Meepian/ via Shutterstock

 

FONTECom informações da BBC Brasil
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS