Quando uma criança se sente confiante sobre si mesmo, ela vai deixar de buscar aprovação lentamente em cada passo que ela toma. Essa ideia transmitida por María Montessori nos dá um exemplo simples de como podemos fazer para que nossos filhos não sejam somente mais independentes, mas também mais felizes.

Por outro lado, hoje há muitas pessoas que ainda não veem com bons olhos esse legado pedagógico que nos deixou a célebre filósofa e docente italiana. Esses princípios focados no aprimoramento do intelecto e do físico da criança são vistos por muitos como arriscados. Permitir que a criança se torne a criadora e a descobridora de sua própria aprendizagem é para muitos coisas fora do comum.

No entanto, você tem que enxergar a partir do prisma correto. Não é “deixar ir, deixando as crianças serem completamente livres”. Nós, como adultos, somos os guias, que os fazem descobrir tudo de que são capazes. Cada criança tem seus próprios tempos e suas próprias necessidades, é apenas sobre ser respeitoso e intuitivo para que o desenvolvimento seja harmonioso e, acima de tudo, feliz.


Por outro lado, além de maximizar esse desenvolvimento em nossos filhos, algo que todos nós queremos é que as crianças aprendam a ser responsáveis e independentes. Não falamos dessa independência para que uma criança de 6 anos se comporte como uma de 10. O que queremos é que dentro de cada idade, ele assume a autonomia e as obrigações que correspondem a ele.

Alcançá-lo é um desafio e, por sua vez, também cresceremos com eles como mães e pais.

Chaves para educar crianças independentes

Começaremos oferecendo-lhe um conselho tão simples como surpreendente: se você quer uma criança independente deve oferecer-lhe autonomia. Sabemos que dizer “autonomia” pode ser um problema para muitas mães e pais.

Isso significa que devo conceder-lhe as liberdades que ele deseja? Absolutamente. Trata-se de confiar nos nossos filhos e permitir-lhes crescer de acordo com a sua idade e as suas próprias características.

Há mães e pais que se esforçam todos os dias para dar a seus filhos o melhor. Eles cuidam de cada detalhe, amarram seus sapatos, guardam brinquedos, preparam a mochila da escola, penteia-os, vesti-los… Tudo tem um limite, um equilíbrio e um propósito

Chega um momento em que eles devem dar seus próprios passos. Deixam de ser bebés para serem crianças. Algo assim vai certamente fazer você começar a ter suas próprias demandas. Portanto, nada melhor do que deixar claro desde o início: crescer e ser independente implica ser responsável, e ser responsável você tem que provar o que você é capaz de fazer.

Estas seriam algumas estratégias baseadas na metodologia Maria Montessori:

Crianças de 2 e 3 anos de idade

Maria Montessori estabeleceu o que são conhecidos como períodos sensíveis. São momentos em que as crianças adquirem o máximo potencial de aprendizagem, é quando elas são mais receptivas e quando, como pais, temos a melhor oportunidade para orientá-las.

Os dois e três anos são um momento especial. Começam a se comunicar, a exigir coisas, a descobrir o mundo, querer tocar tudo.

É um momento ideal para lhes dar suas primeiras responsabilidades. No entanto, essas responsabilidades serão supervisionadas por nós.

Eles podem começar a se vestir sozinhos, aprender a guardar seus brinquedos, ajudar a preparar a mesa, assumir a responsabilidade por suas coisas e se certificar de que não quebram.


Ao mesmo tempo, é imperativo que participemos das tarefas da casa. A criança faz parte de uma família e deve entender que todos nós temos responsabilidades.

Crianças de 4 e 6 anos de idade

Uma dica essencial que vem nesta idade é que o mobiliário doméstico está adaptado para eles. Dentro de suas possibilidades, eles podem e devem fazer muitas coisas.

Podemos colocar um banquinho para que a criança comece a se pentear sozinha, a escovar os dentes, a limpar-se.
Maria Montessori recomendou que todas as crianças pudessem funcionar em todas as áreas que fazem parte da vida cotidiana. Então, é ideal que, nesta idade, faça suas primeiras coisas na cozinha (sob nossa supervisão), sirva café da manhã, prepare uma salada, sua tigela de cereais …

Eles devem ser participantes, úteis e, acima de tudo, seguros de ver que eles podem fazer muitas coisas e fazê-las bem.

Para que uma criança se sinta autônoma e propicie ainda mais sua independência, é essencial que lhe proporcionemos reforços positivos. As carícias emocionais positivas são alimentos que os farão crescer em felicidade e segurança.

Crianças de 7 e 8 anos

A criança entre 2 e 8 anos de idade experimenta o momento evolutivo mais importante de sua vida. É esse período em que devemos basear sua autoestima, as raízes de sua identidade e, acima de tudo, essa visão de auto eficácia tão importante para continuar a crescer se sentindo útil, capaz e independente …

Entre as idades de 7 e 8 uma criança pode fazer um monte de coisas. Não obstante, às vezesvai pensar que pode fazer mais do que podemos permitir. É necessário dar asas, mas também um bom conselho.


Nesta idade, você deve ser completamente responsável por suas coisas, tanto em casa como na escola. Ela também deve nos mostrar que podemos confiar nela. Com base nessa confiança, a criança ganhará mais independência.

Por sua vez e não menos importante, devemos ter em conta algo básico. Nem todas as crianças amadurecem da mesma maneira. Portanto, não daremos certas responsabilidades a pessoas pequenas que ainda não podem assumi-las.

Não devemos forçar. Por exemplo, se uma criança de 8 anos de idade é muito esquecida, inquieta e desfocada, não podemos dar-lhe como responsabilidade preparar o seu próprio lanche todos os dias e colocá-lo em sua mochila. Provavelmente irá esquecê-lo.

Temos de supervisioná-lo, e vamos fazê-lo de forma discreta e carinhosa. Pouco a pouco e cada dia vai amadurecer e alcançar grandes coisas por conta própria.

Tradução e adaptação da equipe da Revista Pazes.

FONTEEres Mamá
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS