“Suponha,” ele disse, “que um homem esteja diante de um grande rio, e que ele precisa atravessar a outra margem, mas não há barco para levá-lo, o que ele faria?” Ele cortaria algumas árvores, amarraria e construiria uma jangada.

“Então ele se sentaria na jangada, usaria as suas mãos ou se ajudaria com uma vara, se empurraria para atravessar o rio”. Quando ele chegasse ao outro lado, o que ele faria?

“Ele deixaria a jangada porque ele já não precisa mais disso”.

“O que ele não faria seria: pensando em quão útil a jangada tinha sido, jogá-la-ia em suas costas e continuar a viagem carregando-a.”
“Da mesma forma, meus ensinamentos são apenas um meio para um fim, são uma jangada que o transportará para o outro lado, não um meio em si, mas um meio para alcançar a iluminação”.

Esta foi a parábola que Gautama Buddha contou a seus seguidores para explicar-lhes a importância de praticar o desapego e não se apegar a coisas, seja experiências ou relacionamentos. No entanto, quantas vezes nos apegamos à jangada e arrastamos isso conosco ao longo do caminho, mesmo que seja completamente inútil?

Era uma vez uma pessoa com uma jangada nas costas

Algumas pessoas sobem na jangada e não seguem. Na verdade, às vezes, elas até esqueceram que estavam tentando atravessar o rio, elas perderam a perspectiva antes de começar a caminhada. Elas acham melhor fazer a balsa mais confortável. Então elas constroem paredes sobre ela e um telhado; Instalam móveis e utensílios de cozinha; E, em seguida, convida seus amigos e familiares a conhecê-la. Ou seja, eles transformam a jangada em uma casa e amarram firmemente à Costa. Elas não querem ouvir nada sobre soltar as amarras ou âncoras.

Outras pessoas olham para a jangada parada na Costa e dizem: “Que balsa agradável, é grande e sólida”. Tiram a fita métrica e medem. Eles sabem exatamente quais são suas dimensões, o tipo de madeira com que foram construídas, e até onde e quando foram cortadas. Alguns dão um passo adiante e produzem uma folha descritiva que serve para vender balsas no atacado. No entanto, para muitas jangadas que vendem, nunca subiram numa e nem sequer pensaram em atravessar o rio. “É muito arriscado”, pensam eles.

Há também outras pessoas que ficam na Costa e dizem: “A jangada não está bem construída”. Devia tê-la construída com mais troncos e amarrado mais firmemente Eu não gosto de como ela flutua na água. Vou construir uma balsa que seja maior e mais segura. No entanto, elas permanecem na Costa fazendo considerações, discutindo e brigando, sem construir a jangada e ir a qualquer lugar.

Algumas pessoas creem que a jangada é muito simples, rústica e pouco atraente. Elas a olham e balançam suas cabeças. “Parece um monte de troncos mal amarrados”. Então elas decidem embelezá-la e passam a pintar, decorar e cobri-la com flores, mas elas nunca conseguem subir na balsa, nem pensam em atravessar para a outra margem.

“A Costa onde estamos, explicou Buda, é o presente, a existência que está ligada ao ego, a outra margem é o que nós aspiramos a ser, representa nossos objetivos e sonhos. A balsa nos ajuda a atravessar as águas. É sua função, porém, depois, devemos deixá-la para trás”.


“Claro, a balsa não se refere apenas aos bens materiais, é tudo aquilo que nos ata e nos impede de alcançar o nosso potencial”. Portanto, pode ser as relações interpessoais que perderam suas razões de ser, ou mesmo certos traços de personalidade ou crenças que nos mantêm ligados.

Esta parábola budista alerta-nos para a nossa tendência de se apegar a coisas e situações, desperdiçando nossas vidas criticando, tentando proteger o que conseguimos ou simplesmente alimentando muito o medo de descobrir o que está na outra margem.

Ela também nos alerta para o fato de que, em alguns estágios da vida, o que poderia ter sido útil já não faz mais parte da mudança e do crescimento. Se permanecermos vinculados a essas formas de fazer e relacionar, não seremos capazes de avançar. Portanto, uma das lições mais importantes e difíceis a aprender é que o laços que antes o mantiveram então vinculado, não te servem mais e é chegada a hora de se livrar deles.

FONTETrans4mind
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes

Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!



COMENTÁRIOS