A alma no poeta

Para se referir à escrita muitos fazem comparações ou criam motivos de idade, sexo, nação, religião. Categorizam coisas do espírito como se elas fossem de números e de nomes.

Como se se fizessem depois da palavras. Esquecendo-se que a palavra é chamada pela realidade.

Iner Muchine tem não tem 19 anos nem é do sexo masculino. Iner é uma alma que escreve com o coração das coisas. A poesia nele chega como chega a sede ou a fome, é uma guerra de sentidos de leituras que correm no seu universo. E como alma, o sujeito poético dele sonha, canta, vive. Falar da sua poesia era armadilhar os olhos e cegar a alma. Matar aquilo que pode ver sem ter olhos. Afinal o que é a poética senão isso?

Para conhecermos um pouco da alma poética de Iner, selecionamos 3 poemas:

Reis nunca morrem

Suas mãos eram
De carne e versos.
Seus poros libertaram
Mil Índicos, que um dia
Cascatearam no precipício
Que seus sonhos foram.
E com o escaldar
Das ancestrais opressões,
Exilaste-te em memórias
Antes pendentes
Que independentes

África

Subitamente,
Resgato a anunciada aurora,
Onde percorrem sonhos e competem
Histórias de lugares distantes
África desperta:
Dos verdes campos que folheio;
Do voo que se entorna no ninho;
Da asa que se demora no adeus
E da neblina que desafia o indico
Do seu contorno.
África vem das vozes escritas
E de grandes homens para céus
Pequenos,
Que na inclinação da carne negra
Regressam ao ventre
Como a onda após lamber a margem.

Tendências

Meus sonhos patrulham madrugadas
Com a ligeira leveza de céu.
Minha recente liberdade coloniza-me
Com a doce ansiedade de tombar
Em páginas que ninguém leu.
E caligrafam-me no nítido delírio
De perceber que primeiro é o poeta
E depois o poema:
Aves da mesma asa;
Voos do mesmo poema
Terras do mesmo pó
Penas da mesma ema

inerBiografia
Iner Muchine, pseudónimo de Inocêncio Adelino Muchine Júnior, é um escritor e poeta nascido e residente em Maputo, metrópoles e capital de Moçambicana. Nascido a 23 de Maio de 1997, seu primeiro contacto com a poesia foi aos seus 11 anos, com poemas de José Craveirinha “Grito negro” e “poema do futuro cidadão”. Doravante, só iniciou o processo de escrita aos 14 anos. Tem poemas publicados em blogs e redes sociais.

COMPARTILHAR
Hirondina Joshua
É uma jovem escritora, moçambicana. Tem poemas publicados em várias revistas, jornais e blogs nacionais e internacionais. Teve Menção Extraodinária no concurso mundial de poesia. Brevemente irá publicar seu primeiro livro de poemas.



COMENTÁRIOS