Olhem para o mundo: os sistemas falharam, não falharam? Você pode ver? Você é livre?

Música e clip recentemente lançados pelo cantor estadunidense Moby despejam críticas profundas à sociedade contemporânea.

A música Are You Lost In The World Like Me, publicada no youtube na última terça-feira pelo canal oficial do cantor Moby, conta já, em três dias, com mais de um milhão de visualizações. O músico, cujas composições são conhecidas por pautarem temáticas de grande relevância social, como a crise ambiental e a ideologia do consumo contemporâneas, se posiciona mais uma vez e, o que é incomum em seus trabalhos, de maneira extremamente agressiva, contra o caminhar incauto da humanidade em direção ao abismo, rumo à sua autodestruição.

Se, por um lado, a sonoridade e a letra de Are You Lost In The World Like Me são, por si mesmas, extremamente envolventes e instigantes, por outro lado o chip da música, protagonizado por um personagem que tanto esteticamente quanto em relação ao olhar que dirige à sociedade se assemelha bastante ao próprio Moby, retrata de maneira tão tocante a condição em que a humanidade e o nosso planeta se encontram que é difícil apontar qual dos dois, clip ou música, são mais elevados do ponto de vista artístico. Ambos se complementam de maneira surpreendentemente harmoniosa.

A solidão dos indivíduos imersos no universo virtual, a superficialidade e reificação das relações humanas, individualismo, indiferença generalizada em relação às injustiças sociais e às dores do próximo, ganancia, arrogância, a ideologia do consumo, a nossa submissão aos padrões de vida que nos são impostos, machismo, destruição do planeta, a impotência sentida por todos aqueles que não se conformam diante da realidade em que vivemos, são todos temas abordados pelo trabalho de Moby que, por fim, nos convida a importantes reflexões. Tão mais importantes quanto mais nos aproximamos do abismo. Olhem para o mundo. Os sistemas falharam, não falharam? Você pode ver? Você é livre?

André Luiz Ribeiro

COMPARTILHAR
Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!



COMENTÁRIOS