8 lições que Procurando Dory nos ensina

Por Giovanna Frugis

Procurando Nemo é um sucesso desde que foi lançado há 13 anos. E, mesmo depois de mais de uma década, a história do peixe-palhaço ainda encanta corações e coloca um sorriso no rosto de todos que a assistem. E, para alegrar ainda mais, a tão esperada continuação dessa animação chegou e, em pleno ano de 2016, o sucesso é absolutamente estrondoso.

Como segundo filme, a personagem protagonista mudou e é com Dory que dividimos momentos incríveis durante o desenho. Mas, muito além de diversão e entretenimento, a peixinha azul nos ensina muitas coisas.

Com diferentes visões acerca do mesmo filme, a nova animação da Disney•Pixar traz uma temática repleta de ensinamentos e reflexões que são completamente pertinentes ao mundo real e na forma como a sociedade convive. Quais são? Leia abaixo as oito principais lições que Procurando Dory pode nos ensinar.

Aceitação do diferente

Assim como o primeiro filme, Procurando Dory nos ensina que as diferenças existem e não sermos iguais não significa que não possamos conviver em harmonia. Na realidade, é preciso aceitar o diferente, principalmente quando se trata de deficiências – sejam elas mentais, intelectuais, físicas ou emocionais. Afinal, a inclusão é a chave para a melhora do mundo.

Vamos falar sobre limitações

dory 1Mesmo que de formas distintas, as limitações existem em todos nós e em todos os ambientes que vivemos. É preciso assumir, aceitar e entender cada uma delas para que seja possível existir diálogos honestos e saudáveis sobre isso. Quanto mais for falado sobre limitações, mais pessoas vão começar a assumir, aceitar e entender seus próprios limites, assim como os limites dos outros. Com isso, a sociedade passa a ser mais justa e transparente. Dory, por exemplo, sabe da limitação de sua memória, assim como seus amigos, que a amam e aceitam a forma que ela é.

Aceitar permite melhorar

Quando você aceita um problema, uma deficiência ou uma limitação, é possível pensar sobre aquilo sem envolver preconceitos. Além disso, quando aceita, você convive de maneira mais saudável com essa condição. Todos os amigos de Dory, assim como ela própria, sabem da sua limitação, por isso convivem com ela, mas exaltam outras características da peixinha, como determinação, otimismo e força de vontade.

Valorizar as qualidades

Como dito no item anterior, valorizar qualidades e habilidades é a chave para ter qualidade de vida. Dory sabe que é feliz, corajosa, muito otimista, amiga leal e desbravadora de oceanos. Ressaltar coisas boas faz com que a deficiência se torne cada vez menor e atrapalhe cada vez menos.

Valorize sua família

Tanto Procurando Dory quanto Procurando Nemo nos ensinam que a família é a base de uma vida feliz. E, no caso, família é quem amamos e quem cuida de nós, tanto que nas duas animações vemos estruturas diferentes de família – Nemo perdeu sua mãe antes de nascer e, por isso, vive apenas com o pai, e Dory vive sozinha, até encontrar Marlin e Nemo, que se tornam sua família. No segundo filme, Dory procura e encontra sua família biológica, mas não consegue ficar afastada dos peixes-palhaço, que já moram em seu coração, assim como ela também mora no deles. Família é amor, companheirismo e amizade.

Seja esforçado

Suas conquistas são do tamanho do seu esforço. E você pode conseguir o que quiser desde que se esforce para isso. Marlin, Dory e Nemo aprendem sobre isso na prática, uma vez que nunca conseguiram atingir um objetivo de maneira fácil. Tanto Marlin para achar Nemo, quanto Dory para achar sua família, precisaram passar por diversas situações inesperadas para atingirem seus objetivos. Inclusive Nemo, que lutou bravamente no primeiro filme para voltar ao mar.

Não desista

Não importa qual é o seu objetivo, se você se dedicar e realmente acreditar nele, você vai conseguir. Dory e seus amigos nunca desistem do que querem e do que acreditam que seja importante para eles, mesmo quando isso significa enfrentar criaturas marinhas perigosas, ou qualquer outra situação ainda mais difícil ou assustadora. Se você não desiste, a vitória chega, mesmo que demore um pouco. Lembre-se: só não chega lá quem para no meio do caminho.

Enfrente seus medos

Se permitir que seus medos tomem conta da sua vida, você perderá grandes oportunidades. Tem medo de escuro ou de nadar em alto mar, assim como Marlin? Enfrente. Medo de perder quem ama? Quem te ama de verdade estará sempre com você, em seu coração e em seus pensamentos. Medo de qualquer coisa? Enfrente. O medo só serve para uma coisa: para que você, depois de enfrentá-lo, sinta que é ainda mais forte e corajoso.
Escrito por Giovanna Frugis da Equipe Eu Sem Fronteiras

(Parceria da Revista Pazes com o site Eu Sem Fronteiras)

Dica a Revista Pazes: Já conhece os livros infantis de Rubem Alves? Visite:
loja Rubem passarinho




COMENTÁRIOS