10 livros que mudaram a vida de Leandro Karnal para sempre

Por Luiz Antônio Ribeiro – Nota Terapia

O historiador Leandro Karnal vem sendo, em nosso momento político conturbado, “um descanso na loucura”. Sua inteligência, ironia e ao mesmo tempo, gentileza e cuidado no trato, trazem a tona cada vez mais uma nova forma de fazer pensamento: através do afeto. Uma aproximação quase íntima dos leitores e um cuidado nos formatos em que se vai dizer, faz com que Karnal consiga a exata mediação entre rigor teórico e penetração popular. Assim, é um grande prazer ter o professor como um iluminador das zonas sombrias de um mundo contemporâneo um tanto quanto obscuro.

Leandro Karnal, em sua página no Facebook, postou uma lista de 10 livros que mudaram a sua vida para sempre. Tratam-se de clássicos da literatura, formadores de gerações de leitores, e que refletem grandes questões humanas essenciais para a formação moral de um ser como indivíduo e de um cidadão, pronto para viver em seu coletivo. O NotaTerapia, sempre preocupado em indicar livros e formar leitores, separou a lista com um breve resumo de cada uma dê-las para, quem sabe, fazer você abrir um desses livros!

1- Hamlet, de Shakespeare

Após ter visto o espírito do pai morto, Hamlet se encontra insatisfeito com o decorrer da trama na corte, na qual a sua mãe casa-se com o irmão do marido falecido poucos meses após sua morte. O desfecho do rei choca o filho, que deixa os estudos na Universidade de Wittenberg para retornar à corte, em Elsenor. Inconformado com as corrupções a sua volta, Hamlet tem Horácio e Ofélia como únicos confidentes, sendo esta a mulher que ama, mas que promete ao pai Polônio não se casar com Hamlet.

Em uma vídeo-aula no facebook, Karnal afirma que Hamlet é uma chance de despertar no aluno a consciência para seu mundo interior. Afirma ainda que “há seis anos morreu meu pai e eu vivi a experiência de ser um órfão, exatamente como Hamlet, e finalmente a peça adquiriu um sentido totalmente novo, porque agora eu estava numa situação similar da dor de perder a identidade paterna”.

Vídeo sugerido: Hamlet de Shakespeare e o mundo como palco

2- A Paixão segundo GH, de Clarice Lispector

Numa determinada manhã G.H. resolve fazer uma arrumação em sua casa, e inicia pelo quarto da empregada que não mais trabalhava para ela, ao entrar no quarto, se surpreende, pois imaginara que encontraria tudo bagunçado, no entanto, é tomada por uma enorme surpresa ao encontrar tudo em ordem. Ela se depara com uma barata que havia saído do armário, e imediatamente a esmaga com a porta do armário. Diante dela, estava aquela barata morta, sem a casca jorrando uma secreção branca.

Em uma postagem no Facebook, Karnal afirma:

Quando descobri e entendi A Paixão Segundo GH, há quase 20 anos, chorei muito pela beleza da escrita, bem como pela escritora atormentada que ali despejava seu gênio e sua dor. Chorei pelo retrato difícil da alma humana.

3- O Livro de Jó

O Livro de Jó é um dos livros sapienciais do Antigo Testamento e da Tanakh, vem depois do Livro de Ester e antes do Livro de Salmos. É considerada a obra prima da literatura do movimento de Sabedoria. Também é considerada uma das mais belas histórias de prova e fé. Conta a história de Jó, onde o livro mostra que era um homem temente a Deus e o agradava.

Sobre a figura de Lúcifer no monoteísmo do Judaísmo, Karnal, em uma entrevista, usa como exemplo o Livro de Jó:

O monoteísmo absoluto do Judaísmo transforma o demônio em auxiliar de Deus, como no livro de Jó. Os judeus acreditavam em espíritos imundos que tomavam as pessoas, mas não deram ao demônio a autonomia de um reino.

4- A Divina Comédia, de Dante Alighieri

“O Poema Sagrado de Dante”, séculos após registrado como A Divina Comédia é um poema de viés épico e teológico da literatura italiana e da mundial, escrito por Dante Alighieri no século XIV e dividido em três partes: Inferno, Purgatório, Paraíso. Em uma vídeo-aula, Karnal analisa os pecados dos homens a partir da imagem do purgatório de Dante.
Vídeo sugerido: O pecado envergonhado: a inveja

5- Dom Quixote, de Cervantes

Dom Quixote de la Mancha é um livro escrito pelo espanhol Miguel de Cervantes y Saavedra (1547-1616). Com sua primeira edição publicada em Madrid no ano de 1605. O protagonista da obra é Dom Quixote, um pequeno fidalgo castelhano que perdeu a razão por muita leitura de romances de cavalaria e pretende imitar seus heróis preferidos. O romance narra as suas aventuras em companhia de Sancho Pança, seu fiel amigo e companheiro, que tem uma visão mais realista.

Em um post em seu Facebook, em que compara Quixote a Hamlet, afirma que “Quixote e um idealista que não encontra mais lugar na sua época” em que “o mundo é prático e pouco idealista, como o cavaleiro da triste figura soube pela Dulcineia encantada.”

6- Madame Bovary, de Flaubert7- Ensaios, de Montaigne

Montaigne fundou um gênero – o ensaio – em que a pena do autor é deixada à vontade, guiada pelo senso comum, misturando instinto com experiência, circulando pelos temas mais diversos, sem compromissos com a autoridade mas sim com a liberdade. Tratava-se do registro das suas experiências, de observações, reflexões que ele tratava da vida. Nada lhe foi estranho; o amor, a luta, a religião, a coragem, a amizade, a política, a educação.

8- O mal estar na civilização, de Freud

O mal-estar na civilização é um texto do médico e fundador da psicanálise Sigmund Freud que discute o fato da cultura – termo que o autor iguala à civilização – produzir um mal-estar nos seres humanos, pois que existe uma dicotomia entre os impulsos pulsionais e a civilização. Portanto, para o bem da civilização, o indivíduo é oprimido em suas pulsões e vive em mal-estar. É um dos principais escritos onde Freud esboça a relação entre os elementos de sua teoria da consciência com uma teoria social, o outro texto é O futuro de uma ilusão.

Karnal, no programa Provocações, de Antônio Abujamra, inicia sua fala discorrendo sobre sobre a felicidade. Ele cita Freud ao dizer que “Sem a infelicidade, a frustração e o trauma não haveria cultura”.

9- Confissões, de Agostinho

Confissões é uma das obras mais conhecidas de Santo Agostinho e um dos mais importantes livros da história, sendo considerada uma autobiografia na qual o santo relata sua vida antes de se tornar cristão e sua conversão. A respeito desta obra, Santo Agostinho diz que a palavra confissões, mais que confessar pecados, significa adorar a Deus. É, portanto, um hino de louvor. O livro é considerado um clássico, tanto da literatura mundial, quanto da teologia cristã e até mesmo da filosofia.

No mesmo curso já citado acima sobre os pecados, Karnal cita uma frase de Agostinho:

“o orgulho é a fonte de todas as fraquezas, por que é a fonte de todos os vícios.”

10- A poesia de Fernando Pessoa

Fernando Pessoa é o mais universal poeta português. Por ter sido educado na África do Sul, numa escola católica irlandesa, chegou a ter maior familiaridade com o idioma inglês do que com o português ao escrever os seus primeiros poemas nesse idioma. O crítico literário Harold Bloom considerou Pessoa como “Whitman renascido”, e o incluiu no seu cânone entre os 26 melhores escritores da civilização ocidental, não apenas da literatura portuguesa mas também da inglesa.

Por Luiz Antônio Ribeiro – Nota Terapia

FONTENota Terapia
COMPARTILHAR
Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!



COMENTÁRIOS